Um passeio pelas vilas à volta da Albufeira do Alvito

A Albufeira do Alvito está aqui como pretexto para juntar num mesmo texto várias paragens de distritos diferentes, Évora e Beja. Iniciámos o passeio em Portel e terminámo-lo em Viana do Alentejo, mas pelo meio não resistimos nem a molhar os pés na Albufeira nem a admirá-la como os pássaros.

Portel está instalada numa encosta e é o seu castelo com torre e cerca urbana que domina a vila e a paisagem que a rodeia. Com foral concedido no século XIII, ainda hoje o castelo da vila é propriedade da Casa de Bragança. Foi daqui do alto que a “Vila Velha” se desenvolveu, preservando não apenas o castelo como também o edifício dos Paços do Concelho e umas casinhas brancas bem junto às muralhas.

De Portel seguimos para a Vidigueira, transição do Alto para o Baixo Alentejo, mas dela apenas trazemos na memória a Torre do Relógio e o que resta da sua antiga Torre de Menagem. Esta é uma zona de planície, pontuada aqui e ali por alguns alguns relevos, sem perturbar a tranquilidade característica do Alentejo.

Vila Alva pode ser vila de nome, mas é pequenina como uma aldeia. A designação alva, porém, não engana. É um aglomerado de casinhas brancas, onde apenas o azul da torre do relógio e o verde dos campos à sua volta contrariam a sua brancura. Depois de apreciar a sua alegre praça principal, vale a pena seguir pela sua longa rua até ao miradouro que nos apresenta uma imagem de pura ruralidade, com olival e pastagens a perder de vista e também algumas vinhas.

Alvito é a vila que se segue. O seu nome deriva de “olivetto”, por influência dos tais olivais que continuam a marcar presença na paisagem. Alvito foi a primeira baronia instituída em Portugal, corria o ano de 1475. Eram então tempos de crescimento e desenvolvimento que, apesar da decadência dos últimos dois séculos, deixaram marcas no património monumental do lugar até hoje, como a Igreja Matriz, a Igreja da Misericórdia e o Castelo. A vila não têm nada a ver com traçados medievais, daí que se encontrem amplos terreiros, como o Rossio de São Sebastião ou o Jardim da Praça da República.

O Castelo do Alvito, hoje Pousada de Portugal, tem uma arquitectura diferente daquela a que estamos acostumados no nosso território. Construído entre o fim do século XV e princípio do século XVI, esta estrutura originalmente de carácter militar e residencial apresenta uma mescla dos estilos gótico, manuelino e mudéjar. Era, no fundo, um paço senhorial fortificado do qual podemos ainda hoje apreciar o seu belo pátio central quadrado.

Ao deparar com este lugar, o “Canto do Cante”, não podemos deixar o Alvito sem recordar que o Cante Alentejano, elevado a Património da Humanidade, é a música tradicional do Baixo Alentejo.

Subimos (no mapa) em direcção a Viana do Alentejo, mas desviamos primeiro até Oriola por uma estrada não muito bem conservada mas muito bonita. Oriola, aldeia típica de casas brancas cá em baixo junto à Alfubeira de Alvito, e São Bartolomeu do Outeiro, aldeia miradouro lá em cima na Serra de Portel, autodenominam-se ambas como “aldeias de Abril”. Há que recordar outra das tradições arreigadas neste Alentejo, a do orgulho abrilista. Mas aqui para este passeio contam mais as vistas. E a curiosidade de saber de onde virá o topónimo “Oriola”: diz que deriva de auréola ou aurea ora, ou seja, zona de minas de ouro.

Esta jornada termina em Viana do Alentejo. Esta Viana do sul tem, enquanto concelho, diversos pontos de interesse, como a vila de Alcáçovas – onde em 1479 foi assinado o Tratado de mesmo nome – e o Santuário de Nossa Senhora de Aires – lugar onde foram encontrados vestígios de ocupação antiga por parte dos celtas ou dos romanos. Centremo-nos, porém, no centro da vila a quem foi concedida primeiro foral em 1180 e que, mais tarde, em 1313 D. Dinis mandou construir cerca urbana. Mas nem cerca nem castelo se fizeram então. Embora sem total certeza, acredita-se que o castelo que hoje podemos admirar seja uma construção do final do século XV ou princípio do século XVI. Tardio, portanto, e isso talvez explique a sua arquitectura pouco familiar no contexto português.

De forma pentagonal, são cinco torres cilíndricas encimadas por cones ao longo das muralhas que guardam no interior aquele que é considerado um dos mais belos exemplos do manuelino no sul de Portugal, a Igreja Matriz com o seu fabuloso portal. Há ainda espaço para uma outra igreja no interior do castelo e destaque para o cruzeiro manuelino no centro do pátio. Mas, à semelhança do Castelo de Alvito, de quem é contemporâneo (aliás, a este respeito diga-se que antes de ser Viana do Alentejo a povoação tinha o nome de “Viana a par d’Alvito”), são também evidentes as influências mudéjares nos merlões e pináculos no castelo de Viana, o qual é ainda “estranho” pelos materiais utilizados na sua construção, em alvenaria de tijolo.

Junto ao castelo foram entretanto construídas as casas típicas alentejanas, de um ou dois pisos, brancas e quase sempre com riscas amarelas. Mas Viana têm ainda outra curiosidade e motivo de interesse, as suas (muitas) fontes e chafarizes. Foram as fontes e as águas naturais que escorrem da serra próxima que ajudaram o Homem a instalar-se na região e hoje algumas delas são parte do património monumental da vila, como é exemplo esta Fonte dos Escudeiros.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s