Guimarães

Em 2012 a cidade berço foi escolhida, juntamente com a eslovena Maribor, capital europeia da cultura. Claro que isso, e o facto de o centro histórico da cidade ser património da humanidade, são apenas desculpas para a visitar uma vez mais.
Só que desta vez, a par do dito centro histórico e do Castelo e do Paço dos Duques de Bragança, houve que dedicar tempo também à cultura.
E à tradição.
Logo pelo meio-dia, ainda a caminho de Guimarães, a TSF falava acerca das rebuçadeiras e encontrar uma delas passou a ser um objectivo primordial. A nova estrela da rádio recebeu-nos e vendeu-nos os pirulitos – oito por um euro – abancada ali à entrada do centro histórico na Alameda junto ao Largo República do Brasil, lugar que nos explicou que a custo a Câmara a deixou assentar arraiais. Aí, um senhor contou-nos a história destes pirulitos e rebuçados que só se vendem na época da Quaresma: era uma forma das mães convencerem os pequenos a irem à missa nesta altura. Desse dito senhor ficou a sugestão de um restaurante que já levávamos indicado de casa e para o qual até já tínhamos reservado o jantar dessa noite: o Papaboa. Pela risota dos amigos que o acompanhavam ele desbroncou-se – era o dono dos dois restaurantes da cidade de mesmo nome. À noite, por sua sugestão, provamos um pão-de-ló fantástico, uma autêntica gemada, regado a vinho do Porto. E mais ficou encomendado para domingo de Páscoa.

O centro histórico de Guimarães está de facto um mimo de conservação e reabilitação. As suas ruas estreitas e intrincadas são fáceis e agradáveis de percorrer, cheias de bons exemplos de belos edifícios. Mas o mais pitoresco são mesmo as suas casas de cores vivas mas sóbrias, com varandas de madeira e portas e janelas em destaque.
O Largo da Oliveira é, no entanto, o ex-líbris da cidade, não pela igreja de Nossa Senhora da Oliveira, mas pelo carismático Padrão do Salado, um pequeno monumento gótico, e pelas colunas também góticas do edifício estilo alpendre do Domus Municipalis. De registar ainda o também pitoresco Largo de Santiago que à noite, à semelhança do Largo da Oliveira, vê as suas casinhas iluminadas com pequenos pontinhos de luz nas fachadas.

O Castelo e o Paço dos Duques de Bragança estavam fechados no domingo de Páscoa (galo! fui à procura do domingo de borla e bati uma vez mais com o nariz na porta). Muitíssima gente a passear pelo Campo de São Mamede, no entanto, e a contentar-se por ver os monumentos no seu exterior (não fiquei muito chateada porque os havia visitado há poucos anos). O Castelo poderia ser apenas mais um não fosse aquele que foi construído (e muito alterado depois disso) antes mesmo de D. Afonso Henriques lá nascer e morar. Foi a Condessa Mumadona que no século X o havia mandado construir para defender o seu convento. E, pronto, o Estado Novo fez questão de o transformar num símbolo da nacionalidade.

Salazar tentou ainda que o Paço dos Duques de Bragança (o qual recuperou da quase ruína) fosse lugar da Presidência da República, mas o máximo que conseguiu foi levar decoração de outros palácios para lá ocupar as suas salas vazias. Mandado construir por um filho bastardo de D. João Mestre de Avis no século XV, nunca foi casa dos Bragança. A sua arquitectura é única em Portugal e não tem nada a ver com as construções da época ou de qualquer outra. Tem sim tudo a ver com os castelos normandos, tendo as construções senhoriais francesas servido de inspiração.

Mas como este ano a cidade se dedica à cultura vamos então focarmo-nos nela. Guimarães e o vale do Ave vivem ainda hoje da indústria, embora esta tenha sido assolada pelo fecho de portas de muitas fábricas. Ora, a programação da Capital Europeia da Cultura faz-se valer dessa aura industrial e, principalmente, com a alteração e transformação da paisagem e edifícios industriais para a vertente cultural. Pega na antiga Fábrica da Asa, dos lençóis, e transforma-a no Espaço Asa, a poucos kms da cidade, em Covas, à beira da estrada nacional. Por esta altura estava a ser apresentada a exposição dedicada ao arquitecto Nuno Portas, a qual fazia muita questão de ver, mas tive que bater com o nariz na porta por “espaço em remodelação”. Quê? Ainda agora abriu e já está em remodelação? E logo no fim-de-semana da Páscoa? Mas foram todos rezar, ou quê? Fica a imagem exterior do edifício, ao estilo Pompidou rural.
Antes tinha tentado dar com a Fábrica Pátria, de plásticos, hoje Casa da Memória, mas o máximo que consegui foi não dar o tempo e o passeio por mal empregues e contornar as ruas até ao Estádio do Vitória. Já nem tive coragem de me por a caminho dos dois outros espaços: a antiga Confil, de têxteis para crianças, hoje Centro para os Assuntos da Arte e Arquitectura, e a antiga Fábrica da Ramada, de curtumes, hoje Instituto do Design.

Segui, então, para o Palácio e Centro Cultural Vila-Flor, o espaço cultural por excelência da cidade, já entrado no roteiro da música moderna do país, que não se fica só por Lisboa e Porto. Lá vi a exposição “Missão Fotográfica: Paisagem Transgénica”, com fotos de habitações e fábricas aos caídos dos arrabaldes e montagens do castelo e de outros edifícios.

O Museu Alberto Sampaio vale também uma visita, se não pela sua colecção de arte sacra (de que não sou adepta), pelo menos pelo claustro que fica paredes meias com a Igreja Nossa da Oliveira.
Quanto a animação de rua, esperava muita e com excepção de uns chatos brasucas com a sua arte de capoeira que se instalaram no Largo da Oliveira, de armas, bagagens e música de berimbau que nunca mais se calava (lembrar que a Pousada onde fiquei dá para o Largo), não vi nadinha. Nem um teatrinho de rua, nem sequer um fulano qualquer vestido de D. Afonso Henriques.
Moral da história: Guimarães não precisa do epíteto de CEC para ser visitada.

O Castelo de Guimarães é mais antigo do que a Sé de Braga

Andando Sem Parar para norte do nosso país vamos dar ao Minho, a província mais verde de Portugal. Uma das razões daquele verde todo é a chuva que por lá costuma cair. Pois. Devia ter-me lembrado disso antes. Como andavamos todos a lamentar a falta de chuva nos últimos meses, agora não me posso queixar que tenha chovido logo nos dias que escolhi ir para o verde Minho. Azar? Talvez não. Aproveitou-se na mesma.
Braga, por estes dias de Semana Santa, estava toda embelezada no sentido de fazer jus ao cognome de capital eclesiástica do país. E cumpriu – para além de a cada esquina se tropeçar numa igreja, as ruas receberam os adereços condizentes com a ocasião e escutava-se em som de fundo uma música que gerava acalmia. Por outro lado, já se sabia que Braga é das cidades mais jovens do país e uma das que mais tem crescido, muito à conta da universidade, certamente. Deu gosto ver tanta gente nas suas ruas e praças, jovens e menos jovens, muitos espanhóis. Um ambiente raro de se ver, pelo menos aqui para a minha terra, com excepção dos shoppings e do Parque das Nações a um domingo à tarde.
Para além das questões ligadas à religião e da visita mais que certa ao Bom Jesus, há que não esquecer que Braga é também considerada a capital do Barroco. O edifício da Câmara Municipal é um bom exemplo do porquê desta consideração.
De Guimarães, a rival do Minho, fiquei com a ideia de que o empenhamento em conservar o centro histórico, que teve como resultado a distinção da Unesco, valeu bem a pena. Fica-se a saber que aquela ideia de cidade onde nasceu a Nação – Castelo e berço do fundador -, tão ao gosto da velha senhora, embora sendo verdade tem muito mais a oferecer a quem a visita. Aos olhos dos turistas (e viajantes) “modernos”, mais do que ir em busca de um monumento ou símbolo isolado, pretende-se contemplar e gozar um sítio no seu todo, enquanto legado histórico que chegou aos nossos dias pleno de autenticidade e pronto a ser fruido por quem vive o presente. E é isso que se sente em Guimarães, para além do seu Castelo e da estátua de D. Afonso Henriques. Ao deambular pelas ruas do seu centro histórico, sente-se que ali existe ainda vida.
Um nota final: era feriado – sexta-feira santa – fim de semana alargado, muita gente nas redondezas, um dos conjuntos monásticos mais importantes de Portugal a apenas 4km de Braga, entrada gratuita precisamente por ser feriado e… 5 pessoas a visitar o Mosteiro de Tibães (com visita guiada na ementa).
Para quem possa ter interesse em mais informação sobre o Mosteiro de Tibães é só clicar aqui .