Pelos Sabores da Colômbia

E a viagem não fica completa sem a experiência de todos os sentidos.
Aqui ficam mais alguns dos sabores colombianos deliciosamente descritos na Cantina dos Sabores.

A comida pelas ruas está à nossa inteira disposição.
Iguarias colombianas para todos os gostos.
O meu amado ceviche marca presença um pouco por todo o lado.
Para acompanhar, frutas, sumos e gelados.
E, para o fim, a reportagem da nossa passagem por um dos mais aclamados restaurantes da capital, o Leo.

Getsemani

                                                     “En este pueblo nunca pasaba nada diferente
                                                      a velaciones de santos y bautizos de ángeles. 
                                                      La noche se nos iba fumando tabaco, tomando 
                                                      café y cantando versos de alma.”
                                                    Alonso Sánchez Baute (Líbranos del bien), acerca de Valledupar 





Escolhemos hotel para pernoitar em Getsemani, bairro vizinho fora das muralhas, antigo lugar de escravos, que conserva ainda a sua identidade e cuja arquitectura é parecida com a da Cartagena muralhada (ainda que o edificado esteja menos preservado). O turista clássico não vem tanto para aqui. Este é antes o poiso de um visitante mais jovem, mais relaxado, talvez mais urbano, que não precisa que tudo seja perfeito e bonito, que aprecia uns grafittis quase tanto como umas janelas e balcões bem decorados. Os restaurante aqui são trendy, existem associações culturais e, sobretudo, o mítico Café Havana, infelizmente fechado nos dias que aqui estivemos. 




O que mais marcou, todavia, foi sentir o pulsar leve dos fins de dia dos seus habitantes. Caminhando pelas ruas vamos assistindo às casas abertas ao exterior, portas abertas e hall de entrada disposto de tal forma que é um convite explícito ao nosso olhar invasivo, quase como que um “entrem, façam parte do nosso convívio”. Há ainda a outra versão do fim de dia, aquele em que as cadeiras e sofás são puxados para fora e instalados nos passeios e as pessoas se vão deixando estar, à brisa mais fresca da noite. Isto é o Caribe.

Playa Blanca e Islas del Rosario

Um dia de passagem pelas Ilhas do Rosário e um almoço e mergulho na Playa Blanca é uma daquelas coisas a que é difícil escapar uma vez passando por Cartagena. 


A capacidade do barco que leva os magotes de turistas diários é espremida até à última até que não caiba mais ninguém e, depois de esperarmos demais para que ele se lance às águas caribenhas, lá vamos apreciando a pouca beleza dos prédios que envolvem a baía de Cartagena. 


Em menos de uma hora chegamos ao arquipélago das Ilhas del Rosário, uma série de ilhotas, algumas delas não comportando mais do que apenas uma mansão pequenina. As ilhas não são privadas, antes concessionadas aos ricaços. Se estivermos apenas de passagem e não ficarmos num hotel numa delas, podemos fazer uma de duas actividades: a terrestre, numa visita ao aquário local, ou a marítima, num snorkelling a um dos bancos de corais que por ali existem. Esta última foi a nossa escolha e assim pudemos confirmar a transparência da água, ao mesmo tempo possuidora de diversas tonalidades, sendo a cor esmeralda a que melhor a representa. De óculos e tubinho para respirar deixámo-nos estar de barriga para baixo, quase sem mexer, e fomos vendo desfilar os corais e os peixinhos. 
Simples e lindo. 
Isto é o Caribe.







O almoço foi na Playa Blanca, extensa linha de areia clara, mesa partilhada com demasiada gente, água para lá de quente também partilhada com demasiada gente. 
Isto é Caribe.

Igrejas de Cartagena

Os colombianos são um povo muito religioso.

Isso nota-se pelas inúmeras igrejas em cada povoado, sim, mas também pelos símbolos, como a cruz, que se fazem notar nas portas e janelas das suas habitações.
Mas, voltando às igrejas, poucas cidades haverá onde as podemos encontrar tão alegres como em Cartagena.
Eis algumas delas:







Pormenores de Cartagena

Cartagena é uma cidade absolutamente fotogénica.

Os edifícios da cidade muralhada estão quase todos reabilitados e bem conservados.
Um passeio pelas suas ruas implica um olhar atento. 
Atento aos edifícios e às suas portas e puxadores, às suas janelas de várias formas mas sempre coerentes, aos seus balcões floridos. Atento, sobretudo, à diversidade de cores, como se de uma colecção se tratasse.
Alguns exemplos de pormenores nas casonas e portones de Cartagena: