Parque Ribeirinho Oriente

O Parque Ribeirinho Oriente, na Doca do Poço Bispo, é o mais recente espaço verde de Lisboa, inaugurado em Fevereiro de 2020. Amante de jardins e de rios, este seria sempre um lugar a visitar, mas dá-se o caso de ser sua vizinha e de ter testemunhado a evolução da sua gestação, nascimento e crescimento em pleno confinamento pandémico. Resultado? Entrou imediatamente para a lista dos meus preferidos. Merecidamente, diga-se.

A Matinha (Matinha, Poço Bispo, Braço de Prata: tudo nomes para designar praticamente um mesmo lugar em Marvila em que apenas os locais parecem saber a diferença) é uma antiga zona industrial, decadente nas últimas décadas mas que hoje vem emergindo com a revitalização dos seus armazéns e espaço público. Nos últimos anos tem vindo a ser finalmente construída a nova urbanização de Braço de Prata, parece que agora definitivamente denominada Prata Riverside Village, um projecto do arquitecto Renzo Piano. E é diante si, apenas separada por uma ciclovia de mão dupla, que se espraia este novo Parque, por enquanto apenas 600 metros desde a Doca do Poço Bispo até à direcção dos gasómetros da Matinha, mas espera-se que dentro de poucos anos seja estendido até à Marina do Parque das Nações, num total de 1,5 quilómetros de frente de rio devolvida aos lisboetas.

O enquadramento paisagístico do lugar, totalmente aberto ao Tejo, é fantástico, sobretudo num daqueles dias luminosos em que a água do rio faz de espelho. E, depois, o projecto executado tem uma qualidade à altura, precioso nos seus detalhes que o integram na perfeição com a zona.

Por enquanto, permanecem armazéns em ruína e o pontão abandonado e ferrugento (e perigoso), e até vestígios de embarcações a boiar, para nos lembrarmos do passado recente. Escasseia já a imagem dos pescadores no pontão, mas a pesca desportiva é permitida ao longo de toda a restante frente ribeirinha. E, entretanto, para além da ciclovia que atravessa o Parque juntamente com caminhos para se correr ou passear por entre as recém plantadas árvores como pinheiros mansos, freixos, oliveiras e sobreiros, foi construído um parque infantil, diversos apoios e mobiliário urbano.

Projecto das arquitectas paisagistas Filipa Cardoso de Menezes e Catarina Assis Pacheco, do atelier F | C, os seus detalhes são perfeitos, já se disse. O parque para os miúdos está instalado na areia e é uma estrutura para trepar feita de troncos e redes de cabos de aço que se levantam e entrecruzam, aludindo à imagem dos mastros dos barcos e das redes de pesca que eram presença no rio.

Os apoios do parque, como wc, cafetarias, aluguer de bicicletas e biblioteca, estão todos instalados em contentores marítimos reconvertidos para o efeito, mais uma alusão à memória do lugar.

A escolha do mobiliário urbano não poderia seguir caminho diferente, e olhando para os candeeiros em aço do Parque facilmente somos transportados para o seu passado industrial.

Já os bancos de madeira à beira rio, em especial as espreguiçadeiras, foram desenhados para que pudéssemos ter um momento em que não pensássemos em nada, nem passado, presente ou futuro, só o agora, debaixo do sol com a companhia da brisa do rio.

Caminhando pela nova frente ribeirinha, vemos ao fundo o paquete Funchal, há anos ali ancorado, e uma pequena língua de areia junto ao pontão. Uma praia, portanto. A zona convida a um mergulho e posso garantir que é bem salgado.

O rio é um personagem magnético, custa tirar os olhos dele, mas por uma vez há que fazer um esforço e olhar para o chão. O pavimento do Parque tem aqui e ali umas gravuras de aves como a garça-real, a cegonha e o pato-real, remetendo para a ideia (deliciosa) da sombra destas espécies da avifauna local. Natureza, história, cultura e arte, que mais poderíamos pedir a um jardim?

Parque da Bela Vista e Vale da Montanha

Do Parque da Bela Vista quase todos terão ouvido falar, por aqui se realizar o Rock in Rio. Mas conhecê-lo-ão para lá de todo o folclore? Saberão que esta é a maior mancha verde de Lisboa depois de Monsanto? E que desde 2018 tem a companhia do Parque Urbano Vale da Montanha?

Situados em Marvila, zona oriental da cidade, estes dois parques estão longe de ser centrais, mas à boleia da ideia do Corredor Verde de Lisboa possuem uma ligação não apenas entre eles mas também com o centro da cidade.

Comecemos este passeio pelo Parque da Bela Vista pela sua entrada norte, depois de percebermos as vinhas com vista para o aeroporto que preenchem uma das colinas vizinhas. A partir dos anos 1960 a zona foi sendo ocupada por vários conjuntos habitacionais que vieram urbanizar Chelas. Até aí este era um território de quintas e hortas, pura ruralidade, ambiente que retém até hoje apesar dos prédios que agora o rodeiam. A origem do Parque é, precisamente, essa, antigas quintas que se tornaram um enorme espaço verde. São 85 hectares e logo à entrada podemos apreciar o fantástico vale que se debruça abaixo de nós e o largo espaço que ocupa. São sobretudo zonas de prado e de relvado, com muito arvoredo – oliveiras, pinheiros e sobreiros – e caminhos à mistura.

Instalada numa colina que se levanta algo abrupta sobre a Avenida Gago Coutinho, as suas partes mais elevadas servem de miradouro para uma grande parte da cidade de Lisboa. De forma mais imediata, praticamente ao esticar de uma mão, temos o bairro de Alvalade e do Areeiro, constantemente alvos de razias dos aviões que em breve aterrarão na pista ali perto. Mais ao fundo, o rio Tejo. A vista da larga clareira central é fantástica e o desenho ondulante do jardim encaixa na perfeição no vale.

Vale abaixo não caímos logo no Tejo, antes atravessamos a Avenida Marechal António de Spínola (que liga Braço de Prata à Gago Coutinho) por cima do seu viaduto. O Parque da Bela Vista continua com os seus caminhos, mas agora estamos na sua vertente sul, cada vez mais perto do vale das Olaias.

É aqui que se lhe junta o novo Parque do Vale da Montanha, mais 11 hectares de caminhos pedonais e cicláveis que com a Bela Vista se confundem. O nome “Montanha” toma o de uma antiga quinta que aqui existia e que até há pouco tempo partilhou o terreno com hortas e com construções de habitação ilegal. Já não estamos numa colina, antes na encosta do vale que foi aproveitada de forma brilhante para a implementação deste parque. Como acima referido, o Parque Vale da Montanha foi construído no âmbito do desenvolvimento do Corredor Verde Oriental de Lisboa, constituindo uma linha de continuidade em relação ao Parque da Bela Vista, sendo não apenas um espaço verde, mas também de ligação a outros espaços verdes envolventes. Esta ideia de Corredor Verde está intimamente ligada à necessidade das zonas urbanas das cidades face à existência de espaços verdes que lhe sirvam numa dupla função de paisagem e recreação.

O desenho do Vale da Montanha e as ideias expressas acima podem ser apreciadas na perfeição desde a ponte pedonal e ciclável que nos leva até à colina do Casal Vistoso (Areeiro) ao atravessar o vale das Olaias. A linha de comboio corre no seu sopé e não é ofensa nenhuma afirmar que linhas férreas não costumam ser áreas muito valorizadas em termos paisagísticos. Mas esta obra de requalificação veio mudar todo esse cenário e num risco um espaço marginal à cidade tornou-se uma beleza que merece ser vista e desfrutada.

E com ela ficámos com as Avenidas Novas ligadas a Marvila de uma forma engenhosa, mas natural e pura.

Jardim Amália Rodrigues

Acima do miradouro do Alto do Parque, desde 1996 temos mais um jardim na cidade, o Jardim do Alto do Parque, renomeado Jardim Amália Rodrigues após a morte da fadista.

Criação do arquitecto paisagista Gonçalo Ribeiro Teles, a ideia é que este jardim seja parte da ligação entre o Parque Eduardo VII e Monsanto, o célebre Corredor Verde de Lisboa. Tudo aqui é tão bem pensado e melhor executado, de uma delicadeza tal (como a que, aliás, se observa no seu vizinho Jardim Gulbenkian, igualmente projecto de Ribeiro Teles), que custa a crer que tenhamos passado tanto tempo sem ele.

À entrada do enorme anfiteatro aberto ao vale do Parque Eduardo VII e Avenida da Liberdade, recebe-nos “Maternidade”, a escultura de Fernado Botero. A maior bandeira de Portugal por vezes também está por aqui hasteada, mas devo confessar que não fez grande falta que esvoaçasse ao vento interrompendo a vista desafogada.

Para lá desta encosta chegamos a um lago circular com a esplanada Linha de Água numa das suas margens. Enquanto uns, bem postos, se limitam a um café ou um gelado numa das cadeiras, os mais atrevidos não resistem a uma banhoca nos dias mais quentes. Ao redor do lago temos uma ampla zona relvada, quer totalmente exposta ao sol quer com zonas de sombra. Os mais conhecedores perceberão a diversidade das espécies arbóreas.

Mais acima, no ponto mais alto do Jardim, no designado miradouro, encontramos a escultura “O Segredo”, de Lagoa Henriques, duas meninas segredando ao ouvido uma da outra enquanto o mega edifício do Corte Inglês as observa. Do lado contrário, o restaurante Eleven, com estrela Michelin. E nas traseiras, o longo edifício do Palácio da Justiça, por onde segue o Corredor Verde de Lisboa. Tudo elementos de uma modernidade que continua o seu rumo nesta zona da cidade maioritariamente de bom gosto (riscar o que não interessa, por exemplo, caixote do Corte Inglês).

Parque Eduardo VII

Nós, lisboetas, habituamo-nos desde sempre a passar pelo Parque Eduardo VII, seja abaixo, girando pela rotunda do Marquês de Pombal, seja ao alto, rindo do “pirilau”, ou num sobe e desce constante por altura da Feira do Livro. Até não nos cansamos de parar frequentemente no Alto do Parque para assistir, vez após vez, à mais poderosa vista de Lisboa debruçada sobre o Tejo. Mas quantos de nós lá vamos somente para passear, fixando demoradamente o olhar na fachada do Pavilhão Carlos Lopes, de um lado, ou admirando a deliciosa entrada da Estufa Fria, do outro?

Inicialmente nomeado Parque da Liberdade, aquele que viria a ser o parque central de Lisboa começou a ser pensado em 1882, depois do fim do Passeio Público em consequência da abertura do boulevard da Avenida da Liberdade. A ideia era prolongar o espaço público, dando uma monumentalidade ainda maior à estátua do Marquês no cimo da Avenida e projectando urbanísticamente uma nova e grande Lisboa. Mas a apresentação e discussão de ideias e projectos prolongou-se por décadas, em 1903 o Parque adoptou o nome por que hoje é conhecido – Parque Eduardo VII de Inglaterra, em homenagem ao rei que havia visitado a cidade no ano anterior – e apenas nos anos 40 se deu, enfim, sequência ao projecto do arquitecto Francisco Keil do Amaral.

O terreno desnivelado foi aproveitado e daqui surgiu a longa alameda central relvada acompanhada por duas alamedas laterais em calçada portuguesa. Nestas alas há espaços para se estar em bancos de jardim, protegidos pelas árvores, e é nelas que se realiza há quase 40 anos a Feira do Livro de Lisboa. E para lá destas alas temos, a oeste, a Estufa Fria e o Lago Grande, bem como um parque infantil e um club, e, a este, o Pavilhão Carlos Lopes e mais um lago com um restaurante. Em ambos os flancos, muito arvoredo e zonas de estar, fazendo do Parque não apenas um lugar monumental, mas também um verdadeiro espaço verde de recreio.

No topo do Parque temos o miradouro que nos dá a tal vista poderosa que mostra toda a Baixa de Lisboa, o rio Tejo e a margem sul. Apesar da vista ser uma daquelas que tudo distrai, não há forma de não perceber as enormes colunatas imperiais que se estendem rumo ao céu, símbolo característico do Parque. Foi entre estas colunatas do Estado Novo que, em 1997, foi inaugurado o monumento ao 25 de Abril, obra de João Cutileiro que muita polémica criou pela forma fálica da sua escultura, carinhosamente apodada de “pirilau”. A forma desta escultura em mármore é, precisamente, uma homenagem à virilidade da Revolução e à coragem dos capitães de Abril.

Descemos rumo aos jardins da Estufa Fria, sob o cacarejar das galinhas, e a sua recepção é incrível. O Lago Grande é belíssimo, com uma ilha e estatutária vária por onde nadam patos e carpas. A Estufa Fria foi criada na primeira década do século XX, ou seja, antes mesmo da execução do Parque, e aqui se conservam e podem conhecer diversas espécies botânicas, vindas de todo os lados do mundo, incluindo as da estufa quente, para plantas (e aves) tropicais, e as da estufa doce, para plantas carnudas. Aqui se realizam também eventos culturais no pequeno teatro do conjunto. Visitando a Estufa seguimos por trilhos que nos levam por plantas exóticas, riachos, grutas e cascatas, todo um cenário riquíssimo e luxuriante naquele que já foi considerado como um dos lugares mais aprazíveis da cidade. E é o mesmo.

No lado contrário do Parque o elemento que mais se destaca é o do edifício do Pavilhão Carlos Lopes (renomeado após a conquista da primeira medalha de ouro em Jogos Olímpicos por Carlos Lopes, em 1984, na maratona), destinado a eventos desportivos e culturais. Originalmente construído para ser o Pavilhão das Indústrias Portuguesas durante a Exposição Internacional do Rio de Janeiro, em 1922, foi desmontado e transportado de volta para Portugal para ser reconstruído no Parque entre 1929-1931. Toma um gosto revivalista com inspiração no decorativismo barroco joanino e a sua fachada profusamente decorada – estátuas e brasão – é ainda revestida de painéis de azulejos, em azul e branco, da Fábrica de Sacavém, com a representação de canas da história de Portugal.

Subindo o Parque de volta ao miradouro monumental passamos ainda por mais um lago, estátuas e zonas de relva com sombras que são um autêntico convite para um momento de descanso. Quem sabe se não para uma leitura de uma das obras adquiridas numa das muitas Feiras do Livro que se celebram ali mesmo ao pé.

Jardim Botânico da Ajuda

O Jardim Botânico da Ajuda está instalado numa encosta ao lado do Palácio Nacional da Ajuda, o palácio nunca concluído que agora, mais de dois séculos depois, parece que vai deixar de o ser. Embora não tão conhecido e visível, o Jardim Botânico da Ajuda é anterior à construção do Palácio. Na verdade, este é o mais antigo jardim de Lisboa, inaugurado em 1768.

O Alto da Ajuda era já nessa época uma zona de presença da realeza, a qual na sequência da destruição do medonho Terramoto de Lisboa de 1755 para aqui fugiu e construiu a sua Real Barraca neste ponto alto da cidade. E foi precisamente aqui, afastado do centro da cidade, então como agora, que o Marquês de Pombal mandou construir este Jardim Botânico numa encosta da Serra de Monsanto, com solos férteis e abundância de água.

Projectado pelo botânico italiano Domingos Vandelli, escolhido pelo Rei D. José para o ensino dos seus filhos, os lisboetas passaram a poder admirar espécies vegetais até então suas desconhecidas. A colecção dessas espécies que aqui eram mantidas para pesquisa e estudo chegou a acolher cerca de 5000, vindas de todo o lado do mundo, formando um conjunto de grande valor documental e científico. Hoje o espaço já não pertence à Casa Real – a administração está atribuída à Faculdade de Agronomia – e as espécies já não serão tantas – cerca de 1500 -, mas a integridade e beleza do lugar mantém-se.

São cerca de 3,5 ha distribuídos de forma rectangular por dois tabuleiros, o superior dedicado à colecção botânica e o inferior ao jardim de recreio e ornamental de buxo.

À entrada, imediatamente antes do chalet transformado em recepção, dois lagos barrocos, um de cada lado, dão-nos as boas-vindas.

A influência barroca há-de continuar e em dois passos torna-se monumental. O jardim de recreio, igualmente com toque renascentista, preenchido com caminhos moldados pelas formas do buxo, plantado sobre o Tejo é de uma enorme beleza, fazendo desta uma vista privilegiada em Lisboa.

A fonte central e a escadaria são elementos decorativos inesquecíveis. A Fonte das 40 Bicas, ou Fonte das Serpentes, não tem apenas serpentes a adorná-la. Estão também lá presentes rãs, patos, cavalos-marinhos, figuras mitológicas e plantas aquáticas, formando uma deliciosa exuberância directamente defronte da escadaria com estátua do infante D. José.

Este jardim possui diversas árvores e também delicioso, mas talvez não tão saboroso, é encontrar uma bananeira com um cacho de bananas verdinhas.

Prosseguimos pelo jardim de buxo em todo o seu comprimento e subimos para o tabuleiro superior. A Estufa Real, restaurante e lugar para eventos, fica num dos cantos. É por aqui que encontramos um enorme dragoeiro que se estima que tenha mais de 400 anos, ou seja, anterior ao Jardim Botânico. Tão velhinho que se mantém erguido, mas sempre belo, com ajuda.

Neste patamar superior mesmo de frente para o rio Tejo as vistas são ainda mais fabulosas.

Vistas essas apenas agradavelmente perturbadas pela descoberta de dois pavões, um azul e outro branco. Sempre exuberantes e majestosos, o seu colorido entre os azuis e verdes é um deleite, mas que dizer da fixação que também estes indivíduos inteiramente brancos produzem em nós? Símbolos de pureza e eternidade, ao contrário do que acreditam alguns, os pavões brancos não são albinos, antes o resultado de uma variação genética. E este duo da foto não será um macho e uma fêmea a contemplar pacatamente o Tejo em cima de um ramo de uma árvore, mas antes dois amigos machos – a ver pelo comprimento de cada cauda, aquela que pela sua dimensão se torna mais vistosa e atractiva no momento de chamar a fêmea para o acasalamento.

Muitos mais pavões se passeiam nesta zona diversa com jacarandás, árvores pé de elefante, canteiros com a colecção botânica de espécies de várias regiões do globo divididos por áreas geográficas, estufas e lagos.

No Jardim Botânico da Ajuda há mais para além de ver. Há que estar tranquilamente no meio da beleza. E há que sentir o Jardim de Aromas, tocando e cheirando as suas plantas aromáticas e medicinais, especialmente criado para os invisuais. Para que a visita ao mais antigo jardim de Lisboa possa ser plena em todos os sentidos.

Jardim Gulbenkian

O Jardim Gulbenkian é uma obra-prima do paisagismo moderno. Não é segredo para nenhum lisboeta, mas os seus cantos e recantos continuam a surpreender pela diversidade de ambientes que permitem vivenciar.

As suas origens remontam ao século XVIII, à quinta conhecida como Quinta do Provedor dos Armazéns, propriedade de Fernando Larre, no lugar de Palhavã, então uma das portas da cidade de Lisboa. Era uma quinta de recreio típica da época, com edifício senhorial, jardim, pomar, horta, vinhas e campos de cereal. Na segunda metade do século XIX, o palácio e a quinta foram adquiridos pelo conselheiro de Estado José Maria Eugénio de Almeida e aí começaram as transformações da quinta, com a criação do Parque de Santa Gertrudes, sob a influência do desenho de jardins da escola francesa, com lago e vegetação autóctone e exótica. Em 1883, com a morte do conselheiro, o parque foi cedido para a instalação do Jardim Zoológico de Lisboa que por aí ficou por uma década. Depois disso, foi lugar de velódromo, hipódromo e feira popular, parte da vida social lisboeta.

Até que chegamos a 1957, ano em que a Fundação Calouste Gulbenkian decide adquirir parte do Parque de Santa Gertrudes para aí instalar a sua sede, conforme desejo do seu fundador. Os arquitectos Alberto Pessoa, Pedro Cid e Ruy d’Athouguia ficaram responsáveis pelo projecto dos edifícios da sede e museu e os arquitectos paisagistas Gonçalo Ribeiro Telles e António Viana Barreto pelo projecto de concepção dos jardins, todos trabalhando de forma interdisciplinar para que o resultado fosse o que se vê hoje, o de uma brilhante integração e fruição de todos os elementos do conjunto. Em 1969 as obras ficaram concluídas e a Fundação e respectivo Jardim abriram as suas portas. Desde aí o espaço foi objecto de algumas transformações, umas radicais, como a construção do edifício do Centro de Arte Moderna (1983, arquitecto John Leslie Martin), outras de continuidade, como a remodelação do jardim (2003, arquitecto paisagista Gonçalo Ribeiro Telles). O melhor que se pode dizer é que a Gulbenkian pode ir mudando, mas não perde o seu carácter, o que, acredita-se, possa continuar a acontecer com a ampliação do jardim – e edifício da colecção moderna – prevista para 2021, sob projecto do arquiteto Kengo Kuma e do paisagista Vladimir Djurovic, vencedores do concurso internacional para a remodelação dos jardins da Gulbenkian.

“Gostaria que se tornasse um grande amigo da natureza porque a criação de uma relação íntima com a natureza é motivo de profunda satisfação na vida”, Calouste Gulbenkian

A Fundação Calouste Gulbenkian decidiu, por vontade do seu fundador, ter a sede em Lisboa e todos nós só o podemos agradecer ao magnata do petróleo. Com fins caritativos, artísticos, educacionais e científicos é, igualmente, senhora deste espaço que temos vindo a apresentar historicamente e que hoje é não apenas central geograficamente na cidade como também na vivência dos seus habitantes. Para aqui vimos admirar arte, escutar música, pesquisar documentos e participar em actividades educativas várias. Em todas estas viagens não prescindimos, nem por uma única vez, de um passeio pelo seu Jardim.

Jardim modernista, os elementos vegetais jogam de forma magistral ao redor dos edifícios e, mesmo sem lhes virar as costas, é possível sermos tomados apenas pela natureza.

O espaço de jardim não é um mero complemento, antes um companheiro inseparável, sendo prova maior disso a forma soberba como quando dentro do museu nos distraímos das obras de arte para admirar o jardim que é delas uma extensão. Já tínhamos avisado, o Jardim Gulbenkian é ele próprio uma obra-prima.

São caminhos, uns em clareira e outros em túnel, que se vão cruzando, criando espaços intimistas e micropaisagens, reproduzindo os momentos de descoberta e de felicidade. O contraste da luz e da sombra é perfeito, com muitos lugares onde o sol parece pedir licença para filtrar entre as folhas.

O coberto vegetal é variado e vemos até bambus. A água é uma presença constante, com o riacho a correr em grande parte dos caminhos, criando pequenas cascatas em diversos pontos. E a avi-fauna do jardim uma companhia prazerosa, fazendo-se sentir quer pela sua melodia quer pela sua figura. O mobiliário – bancos, caixas de luz ou caixotes de lixo – é todo em betão, mas nem por um momento endurece a paisagem. Sentar-mo-nos num dos bancos cinzentos de desenho simples num dos recantos do jardim, sem quase perceber se faz sol ou chuva, apenas escutando o chilrear de um pássaro ou a água a correr, é uma experiência comum no Jardim da Gulbenkian. Um convite à evasão ou à meditação, não sendo por isso de estranhar ver um praticante de ioga num qualquer ponto do jardim. Porque todo e cada espaço do jardim é ideal para alguma actividade: meditar, ler, namorar, trabalhar, piquenicar, apanhar sol. O extenso relvado junto ao lago e ao edifício sede é o mais concorrido para banhos de sol com toalha estendida e biquini vestido e tudo.

O jardim tem ainda espaço para um belo anfiteatro ao ar-livre e, depois, espalhados de forma precisa ao longo do jardim vamos tendo vários elementos escultóricos contemporâneos, mais um testemunho da ligação entre paisagismo e cultura, as duas marcas da sede da Fundação.

Talvez a mais famosa das esculturas do jardim seja aquela que todos podemos ver quando passamos na Praça de Espanha, Calouste Gulbenkian sentado de forma majestática, da autoria de Leopoldo de Almeida – a imagem foi reproduzida a partir de uma fotografia tirada durante a sua visita ao Egipto, com Gulbenkian junto à estátua do deus Hórus, no templo de Edfu.

A outra escultura, igualmente icónica, é o Monumento a Azeredo Perdigão, primeiro presidente da Fundação, obra de Pedro Cabrita Reis. Uma construção em betão com três patamares com ligação por escadas. Não há portas nem janelas, a construção prossegue e a Fundação quer-se como o betão: sólida e perene.

Jardim Botânico Tropical

O Jardim Botânico Tropical, também conhecido como Jardim do Ultramar, em Belém, é um dos mais bonitos de Lisboa. Já sei que digo isso de quase todos, mas este é mesmo um verdadeiro amor. E um daqueles amores que é para sempre, uma vez que depois de encerrado para restauro durante praticamente todo o ano de 2019 reabriu em Janeiro de 2020 mais bonito do que nunca, embora ainda com diversos trabalhos de reabilitação em curso e edifícios encerrados.

Paredes meias com o Palácio Nacional de Belém, em conjunto com quem se encontra classificado como Monumento Nacional, ao longo dos seus cerca de 6,7 ha encontramos uma colecção botânica notável, em muitos momentos exuberante e monumental, composta por mais de 600 espécies de origem tropical e subtropical.

Foi D. João V quem, em 1726, comprou as quintas dos Condes da Calheta e dos Condes de Aveiras para aí criar o Regis Hortus Suburbanus. Anos depois, a elas se juntou os jardins do Palácio dos Duques de Aveiro, formando todo o conjunto a Real Quinta e Palácio de Belém, este último hoje residência oficial do Presidente da República Portuguesa. E em 1912 o espaço passou a acolher o Museu e Jardim Colonial, que havia sido criado 6 anos antes pelo rei D. Carlos. Durante o século XX foram-lhe acrescentados diversos edifícios e estatutária que haviam sido construídos para a Exposição do Mundo Português em 1940, uma nova imagem na sua faceta científica de estudo, história e memória da flora das colónias portuguesas. Hoje é propriedade da Universidade de Lisboa, à semelhança dos outros dois jardins botânicos da cidade, o da Ajuda e o do Príncipe Real, e a sua função é não apenas científica mas também didática e de lazer.

Ao iniciar o passeio pelo Jardim Tropical é tentador seguir logo pela majestosa alameda das Washingtonias, rodeada de palmeiras altíssimas, mas resistimos e seguimos antes a direito em direcção ao Jardim Oriental.

O Jardim Oriental, com entrada pela porta de Macau – uma réplica da entrada no Pagode da Barra, em Macau, construída em 1940 para a Exposição do Mundo Português -, é um exemplo da fusão de influências chinesa e portuguesa na arte dos jardins. Com uma densa vegetação, cobrindo-nos quase na totalidade, e uma forte presença da água, vemos pontes com estrutura de madeira pintada a vermelho, a lembrar o Oriente, mas também com ferro, elemento mais português. O exotismo do edificado neste jardim vê-se ainda no Pavilhão de Jardim Chinês e na Porta da Lua.

O Palácio dos Condes da Calheta fica no final desta alameda que ladeia o Jardim Oriental. Construído no século XVII, como nota histórica diga-se que aqui decorreram alguns dos interrogatórios daquele que ficou conhecido como o Processo dos Távoras, na sequência da tentativa de assassinato (?) do rei D. José. À semelhança da Casa de Chá, da Casa dos Jardineiros e da Estufa Principal, o acesso ao Palácio dos Condes da Calheta encontra-se vedado, decorrendo ainda as obras de restauro nestes edifícios. Podemos, no entanto, apreciar a estrutura em ferro e vidro da Estufa Principal, datada de 1914, com destaque para o seu portão rodeado de vegetação.

Aqui chegados já reparámos em alguns dos bustos africanos espalhados nesta zona do jardim, parte da antiga “Galeria dos Povos do Império”, os quais pretendiam representar a diversidade de etnias presentes na Exposição de 1940, ou seja, este é mais um dos elementos adicionados nessa época. Penso conviver bem com o passado histórico português da Expansão, mas é estranho apreciar estas esculturas.

No Lago das Serpentes encontramos um painel de mesma temática, mas aqui a nossa atenção é desviada para os repuxos de água e os azulejos com cenas de animais, incluindo nos frisos do revestimento do chão. Este Lago fica junto à Casa da Direcção, antiga casa com pátio, alterada para constituir um exemplo de Casa Colonial que integrou a Exposição de 1940. Não a visitei (fechada) e pouco percebi do Pátio do Ourives (igualmente fechado na altura da minha visita).

Mas graças à renovação recente do Jardim Tropical, podemos agora aceder e conhecer o Jardim dos Cactos. Um espaço surpreendente com um ambiente incrível. Não tanto pelas espécies em si, mas antes pelo que a acção descontrolada da natureza é capaz de produzir. As copas das árvores foram crescendo e o número das espécies de cactos e outras suculentas foi reduzindo, apenas tendo sobrevivido as espécies tolerantes à sombra. O resultado é um cenário brutal na verdadeira acepção do termo, com as ruínas dos edifícios das antigas estufas tomadas pelos cactos expansionistas resistentes. Uma espécie de Angkor em ponto pequeno.

Uns passos mais e esta “selvajaria” dá lugar a um recanto delicado, uma estátua clássica de uma dama diante de um pequeno plano de agua. É o Jardim da Ninfa, por cima do qual temos o Tanque dos Leões, o antigo tanque de rega das hortas reais. Nesta zona ficam ainda dois dos mais antigos edifícios do jardim, a Casa do Veado e a Casa de São João, ambas encerrados para requalificação.

Até aqui, tudo perfeito. Não faltam sequer uns pavões fêmea a passear com as suas crias e uns pavões macho com a plumagem colorida e esplendorosa aberta ao nosso deleite. Entre os residentes do jardim encontramos ainda patos, gansos e até galinhas.

Seguimos agora pelo Arboreto do Mundo, diversos caminhos que saem de uma rotunda central cobertos com diversas espécies das quais lamento não reconhecer nem saber o nome, embora a maioria esteja etiquetada. Só guardo, e não é pouco, a imagem da beleza exuberante e altaneira de algumas delas.

O Lago Pequeno e Gruta, com uma pérgula a encimá-los, é um dos elementos românticos introduzidos na segunda metade do século XIX. O que esta última renovação do Jardim Tropical fez foi aperfeiçoar o sistema de circulação de água no jardim. Um canal, espécie de riacho, liga este Lago Pequeno ao Lago Principal, bem mais adiante. É, então, o momento de percorrermos a soberba alameda das Washingtonias, onde até o Mosteiro dos Jerónimos faz questão de aparecer na cena ao fundo. Este é um pedaço de barroco no Jardim. A sua execução foi inspirada no Jardim Botânico do Rio de Janeiro, obra de D. João VI, bisneto de D. João V, o criador deste nosso Jardim Botânico Tropical de Belém.

Muitos caminhos há ainda para percorrer e muito para admirar, estátuas da época de D. João V espalhadas pelo jardim, araucárias, um dragoeiro, raízes intemporais de árvores, mas chegamos, enfim, ao Lago Principal. Os patos nadam ao redor da Ilha das Fruteiras, plantada com árvores de fruto de origem tropical e subtropical, como anoneiras, abacateiros ou pitangueiras, permitindo-nos aqui descansar, literalmente, à sombra da bananeira. Mas o melhor deste lago é o cenário que o envolve, mais um daqueles que irá permanecer na nossa memória e acompanhar-nos durante muito tempo.

Jardim da Estrela

O Jardim da Estrela é um dos mais concorridos e populares jardins de Lisboa. Inaugurado em 1852 e construído ao estilo dos jardins ingleses, este espaço verde de 4,6 hectares é um convite ao desfrute e relaxe dos lisboetas.

Possui diversas entradas, mas escolhemos aquela que fica em frente à Basílica da Estrela. Portão em ferro, a tradição aqui comanda, não apenas pelo típico eléctrico amarelo que passa na Calçada da Estrela colada ao jardim e representado de forma original à entrada, mas também pelos engraxadores que mantém o seu lugar e função ali mesmo.

A sua criação é de clara inspiração romântica, um jardim de recreio com lagos, vegetação exuberante, canteiros donde saem caminhos, um coreto e diversa estatutária, remetendo para uma ideia de paisagem natural. Nos lagos passeiam-se os patos e as carpas. Na vegetação encontramos espécies exóticas vindas das matas reais e dos jardins do Conde de Farrobo. (actual Jardim Zoológico).

O coreto verde de ferro forjado foi construído em 1884 e estava originalmente no Passeio Público da Avenida da Liberdade até ser transferido para a Estrela em 1936. Nos meses de Verão fazem-se aqui concertos.

E as esculturas encontram-se um pouco por todo o lado no jardim, quer a embelezar os lagos, quer num relvado verdejante, quer num dos muitos recantos do jardim, como este dedicado a Antero de Quental. Há ainda lugar para parques infantis, um café, um quiosque da Biblioteca Municipal e até um chalé destinado a creche / jardim de infância, onde chegou a funcionar a Escola Froebel ou Lactário-Creche n.º 3, a primeira creche da cidade de Lisboa, mas que hoje, apesar de envolvido numa frondosa vegetação, não esconde o seu estado de abandono. Um jardim muito diverso e animado, portanto, mas também com diversos pontos escondidos de recolhimento e refrescantes.

Tapada das Necessidades

A Tapada das Necessidades, na Estrela, é um lugar esquecido.

Para o bem e para o mal. Se são muitos os seus edifícios ao abandono, a Tapada preserva ainda largas zonas verdes ideais para nos abstrairmos da realidade, fazer um piquenique ou tão só passear, atravessando-a de um lado ao outro na companhia de pavões e de patos e de vistas para a Ponte 25 de Abril e para os Prazeres, enquanto nos embrenhamos pelos seus caminhos carregados de vegetação exótica.

Foi D. João V quem, no século XVIII, mandou construir a Tapada das Necessidades, Convento e Palácio (hoje sede do Ministério dos Negócios Estrangeiros) no lugar de uma antiga ermida. Um século depois, D. Fernando II, o Rei Artista, redesenhou o espaço e a zona de hortas e pomares foi transformada em jardim inglês, tendo ainda aí instalado um jardim zoológico com aves raras e macacos. Ao seu filho, D. Pedro V, deveu-se a construção da estufa circular, o apontamento edificado mais bonito da Tapada, embora a Casa do Regalo, de iniciativa do Rei D. Carlos I, tome uma designação que lhe faz forte concorrência. Ou seja, os 10 hectares da Tapada de gosto barroco foram sofrendo alterações e acrescentos ao longo da sua história até chegarem aos nossos dias. Neste que é considerado o primeiro jardim paisagista de Portugal e que foi lugar de lazer e experimentação botânica por parte da realeza, podemos hoje caminhar pelos seus vários jardins, lagos, estátuas e edifícios.

Entrando pela porta junto ao Palácio das Necessidades, iniciamos o passeio pelo jardim inglês e de buxo. Há um frondoso dragoeiro e lago e patos, sim, mas a grande atracção são os pavões que fazem questão de vir até nós, com as suas penas resplandecentes bem abertas, como se nos cumprimentassem.

Logo de seguida, estende-se diante nós um largo relvado verde com um edifício delicioso no cimo, a estufa circular em ferro e vidro.

É aqui que começa o desfile de edifícios abandonados e degradados. A Casa do Fresco, por exemplo, tem até na sua fachada uma das estatuetas decapitada. No topo tem ainda o tanque que lhe garantia um ambiente fresco, mas que servia também como elemento estético, devidamente acompanhado por uns vasos ornamentais. Por aqui segue a alameda que ladeia o que era o jardim zoológico com os seus edifícios rosas todos em muito mau estado. Mas temos uma boa opção: dirigir antes o olhar para o lado esquerdo, para umas boas vistas da Ponte 25 de Abril enquadrada na Tapada.

Mais adiante passamos pela Casa do Regalo, tão intensamente rodeada de vegetação que pode passar despercebida. De fachada amarela e com brasão, foi mandada construir por D. Carlos I para servir de estúdio de pintura para ele e para D. Amélia. Este edifício, sim, está bem conservado, uma vez que, afecto à Secretaria-Geral da Presidência da República, foi restaurado para nele ser instalado o gabinete de Jorge Sampaio, ex-Presidente da República.

Foi a tentar perceber um pouco melhor a fachada escondida da Casa do Regalo que escutei, surpreendida, o grasnar estridente de um papagaio (na verdade, um periquito-de-colar). Tão louro, tão louro que também ele se confundia com o arvoredo. Esta é uma zona de mata mediterrânea, talvez não muito domada, e é logo a seguir que encontramos o Jardim dos Cactos. É uma colecção bastante generosa, exótica e exuberante, imperdível na visita.

E aqui ficamos num dos pontos mais elevados da Tapada, ela que está já implantada numa encosta de Lisboa. As vistas para o Tejo são emolduradas pela vegetação, uma perspectiva bem diferente daquela a que estamos acostumados.

Quando ao futuro da Tapada, designadamente no que respeita à recuperação dos seus espaços degradados, espera-se que em breve possa arrancar um projecto que prevê a instalação de quiosques, esplanadas e equipamentos expositivos e para eventos. Mas que, ao mesmo tempo que a permita ser fruída por todos, possa continuar com o recato que a fez chegar até nós.

Quinta dos Azulejos

O Paço do Lumiar está ainda, neste primeiro vinténio do século XXI, cheio de quintas centenárias, daquelas que serviam de recreio às portas de Lisboa aos bem instalados no tempo da realeza, a maior parte delas desconhecidas dos lisboetas. Também conhecida por Quinta dos Embrechados, foi fundada na primeira metade do século XVIII por António Colaço Torres e frequentada pela família real e é um bom exemplo deste património.

Quando chegamos ao largo onde está instalada percebemos de imediato o palacete, hoje transformado em Colégio Manuel Bernardes, totalmente revestido a azulejos de um tom azul convidativo. O que não imaginamos é o que o seu jardim interior esconde.

O jardim da Quinta dos Azulejos é um espaço verde pequeno. Protegido por muros altos, tem a forma quadrangular, cortado a meio por um caminho, e podemos adentrar pelo jardim de buxo e nele encontrar dois bustos escultóricos em homenagem a vultos importantes na fundação e direcção do colégio. Mas não são nem estes nem as plantas que nos chamam a atenção, antes os seus inúmeros e deliciosos painéis azulejares que dominam por completo os nossos sentidos.

O interior dos muros do jardim está quase totalmente revestido a azulejos. Houve várias campanhas de decoração da Quinta ao longo dos tempos, mas a primeira delas datará de 1745 – 1755, o que coincide com a laboração da Real Fábrica de Faianças do Rato, pelo que se tem como assente que foi nesta que se produziram as mais antigas cerâmicas que ainda nos dias de hoje podemos observar. O Grande Terramoto de Lisboa veio logo depois e alguns desses azulejos conseguiram sobreviver-lhe.

Os azulejos policromo, mas com destaque para o azul e branco, da Quinta dos Azujelos mantém-se, em grande parte, bem conservados e revestem ora os muros, ora as colunas, os bancos, os canteiros e as fontes do jardim. São de uma beleza e variedade temática ímpar. É como se nos contassem histórias com recurso a cenas quotidianas, mitológicas ou religiosas. Admirando-os, vemos um desfile de cenas de festas, galanteio, passeios, caçadas e motivos bíblicos decorados ao gosto rococó. Pessoas, animais e seres mitológicos estão representados.

Como Ícaro a cair depois das suas asas terem disso derretidas pelo sol; ou as sete irmãs plêiades; ou Narciso que morreu apaixonado pela contemplação da sua própria beleza e assim se viu transformado numa flor; ou a sua amada mas desprezada ninfa Eco.

São várias as fontes no jardim da Quinta com falsas cascatas e interior revestido a embrechados, uma logo à entrada, outras duas em cada um dos flancos e uma outra junto ao caramanchão.

O caramanchão coberto de plantas que conferem maior protecção e recato ao banco corrido com colunas sob ele é o momento mais bonito do jardim. O lago diante de si está vazio mas isso não retira um pingo de encanto a este espaço.

Há que continuar a apreciar cada figura e cada detalhe, e deixar-nos esquecer do tempo num espaço tão curto.