Vang Vieng

A viagem de Luang Prabang para Vang Vieng dá-nos a realidade do Laos em pleno:
– a falta de infraestruturas, que faz com que 200 kms sejam percorridos em 7 horas de autocarro;
– a beleza e a imensidão da floresta e das montanhas.

Pese embora o tempo gasto, as curvas e mais curvas, as constantes paragens do motorista para xixi, pôr o filho a vomitar, fazer as compras da semana para a mulher, a viagem é agradável e obrigatória.

 

 

Vang Vieng seria um nada na paisagem se não tivesse ela própria uma paisagem indizível. É um daqueles casos de localização certeira, não apenas de meio de caminho entre Luang Prabang e Vientiane, mas sobretudo de vilarejo à beira de rio cercado de montanhas de calcário. Acordar com o sol a nascer, cortinas do quarto de hotel abertas, e dar de caras com aquele cenário é tudo. Não sei se naquele momento o esfregar dos olhos era para acordar realmente ou metaforicamente. Uma paisagem de sonho. E a paisagem que seria tudo para uns, para outros não lhes chega e transformaram o vilarejo em local de festas, copos e drogas. Daí a queda a que Vang Vieng assiste hoje.

 

Ainda, assim, vale bem a pena passar uma noite aqui e, sobretudo, aqui acordar. Depois, e esquecendo as ruas cheias de bares e restaurantes sem graça que podiam estar aqui ou no Algarve, sair para um passeio de caiaque ou tubing no Nam Song. Optámos pelo caiaque e foram cerca de 8 quilómetros sem necessidade de remar, porque a corrente do rio nos empurra, totalmente dedicados à felicidade de contemplar o recorte das montanhas verdejantes.

 

Ainda, existem algumas caves que merecem uma visita.

A Tham Phu Kham é também conhecida pela Lagoa Azul, embora as suas águas fossem mais assim para o verde, e aqui é possível fazer o salto de Tarzan e cair na água. No topo da dita lagoa fica a cave, para onde se tem de subir um pouco, num caminho totalmente realizado imersos na vegetação luxuriante. A cave é enorme e imagino os aventureiros das festas a caminharem sem destino, escuridão adentro, e não encontrarem o caminho de volta. Bem, as possibilidades de isso acontecer a qualquer um sóbrio são reais, por isso, lanterna éobrigatória e cautela também.

 

Outra cave, a mais perto do centro do vilarejo, é a Tham Jang. Diz que tem um boa vista. Diz, porque como dois elementos do trio adormeceram só o terceiro é que teve direito a subir até lá. Na verdade todos nós chegamos aos seus pés, mas fora do horário. As preces para nos deixarem ainda entrar foram em vão. Mas assim que os funcionários se foram embora, a manita, com a cumplicidade de dois taiwaneses, pulou o portão e foi até lá confirmar o cenário. A mim restou-me o ambiente rasteiro, bem bonito por sinal, emoldurado por uma ponte das antigas.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s