A Nova Delhi

Uma semana depois, voltamos a Delhi.

Delhi, Nova Delhi ou uma das 9 cidades que surgiram nesta área deste há milhares de anos, é brutal, enorme, difícil de compreender em meros quatro dias.

Inevitavelmente, acabamos por nos centrar numa pequena área, correspondente ao que poderemos designar por centro. Centro político administrativo, neste caso. Quer seja a Velha Delhi, centro do então império Mughal, que seja a Nova Delhi, criada pelos britânicos.

Delhi nem sempre foi a capital, mas sempre desempenhou um papel importante, principalmente em termos comerciais dada a sua localização, no norte da Índia, na rota do caminho entre a Ásia Central e o Sudeste Asiático.

Foi só no princípio do século XX que o Raj britânico decidiu transferir a capital do seu império na Índia de Calcutá para Delhi, tendo encarregado o arquitecto inglês Edwin Lutyens para construir a nova cidade, o que demorou cerca de 20 anos, por volta de 1914 e 1931, data da sua inauguração oficial.

A arquitectura adoptada pretendia mesclar um estilo clássico ocidental com motivos decorativos indianos. Poucos anos depois o império foi-se e Nova Delhi ficou a ser a capital do novo país independente. Com a partição entre a Índia e o Paquistão viu chegarem-lhe uma série de novos habitantes, os quais não têm cessado de se lhe dirigir desde então, perfazendo hoje um total de mais de 12 milhões de habitantes.

O coração administrativo desta Nova Delhi projectada pelos britânicos é Vijay Chowk, a Praça da Vitória. A dimensão desta zona é inimaginável para os nossos padrões ocidentais (Rússia à parte). Uma avenida interminável ladeada por edifícios imponentes que albergam ministérios e outros serviços públicos leva até à India Gate.

Nesta zona plena de espaço e verde fica o Rashtrapati Bhavan (a residência do Presidente da Índia), os edifícios do Secretariat norte e Sul, o Sansad Bhavan (o Parlamento). Nas imediações ficam os bungalows dos funcionários e não muito longe a área das embaixadas e consulados.

A India Gate é a parte mais animada e movimentada. E este é um dos postais de Delhi, uma porta monumental em arco de cerca de 42 metros de altura que pretende ser um memorial pelas vítimas indianas da Primeira Grande Guerra Mundial. Toda esta zona enche-se de gente, mesmo à noite, sendo os jardins laterais da avenida usados ou para se sentar descansadamente ou para jogar cricket.

E por falar em áreas de dimensões brutais, uma palavra para a Connaught Place, aí perto para os padrões delianos. É uma espécie de rotunda em três círculos, dividida em blocos, com muitos restaurantes e lojas, principalmente o círculo interior, onde ficam também uma série de mercados. É a zona comercial por excelência do centro de Delhi.

Aqui perto fica o Jantar Mantar, um observatório construído em 1724, cujas estruturas de observação solar e outros cálculos astronómicos mais parecem obras escultóricas abstractas. O contraste entre o vermelho destes equipamentos grandiosos com o verde do jardim que os envolve torna o espaço especial, um recanto encravado no meio de arranha-céus.

Continuando na Delhi moderna, dois exemplos arquitectónicos que muito apreciámos: o India Habitat Centre e o India International Centre. Ambos projectados pelo arquitecto Joseph Allen Stein e ambos localizados na zona Lodi.

O India Habitat Centre é mais recente, de 1993, e é um centro cultural que alberga também alguns serviços públicos, em especial ligados ao urbanismo e território. Ocupa uma grande área, três blocos de edifícios unidos por pátios comuns com esculturas e aspectos decorativos. E, sobretudo, com muita vegetação, quase a lembrar uma estufa. É um espaço deveras agradável, onde não se sente o peso da construção em grande escala. Destaque ainda para uma espécie de tecto com placas, que nos faz duvidar se estamos num espaço aberto ou não.

O India International Centre é de 1962, em estilo modernista, um local que pode receber convenções e, sobretudo, a inteligência local. Tem um género de lago onde cai em permanência um jacto de água em arco e uma cafetaria que parece ser um mimo.

Aqui perto fica o Jardim do Lodi. Um espaço de alheamento total da confusão da cidade. Muitos caminhos há que percorrer por aqui, sempre agradáveis, seja a fazer jogging ou apenas um passeio. No meio encontramos um lago, uma mesquita e alguns mausoléus. Em cada recanto dos mausoléus ou da mesquita, um parzinho a namorar.

Esta é uma zona da cidade com avenidas espaçosas, muito verde, edifícios modernistas de baixa escala, construção de baixa densidade. Mas o mais curioso é que paredes meias pode surgir uma zona completamente diferente, cheia de confusão e gente amontoada. É o que acontece com o Lodi e o vizinho Nizamuddin. E logo a norte deste vem outra vez a pacatez com o bairro de Sunder Nagar.

Perto deste fica Purana Qila. Ou Forte Antigo. Éo que resta daquela que foi a sexta cidade em Delhi, a Dinpanhah, criada por Sher Shah, rei que afegão que governava por aqui no século XVI. A esta antiga cidade muralhada, com edifícios ainda muito bem conservados e que impressionam, nomeadamente as suas portas enormes em pedra vermelha, foram ainda acrescentadas mais construções pelo segundo imperador Mughal, Humayun. À volta das muralhas existe um lago onde é possível passear de barquinho. Mas o idílio vê-se também dentro das muralhas, com muitos pares de namorados espalhados pelo parque / jardim.

Um pouco mais a sul, os fabulosos jardins de uma das grandes atracções de Delhi são tomados pelos turistas. O mausoléu de Humayun, mandado construir pela sua viúva em 1565, constitui o primeiro exemplo de mausoléu jardim de grandes proporções e serviu de inspiração para o Taj Mahal. Alia um estilo persa a uma mistura de pedra vermelha com mármore branco, uma opção arquitectónica tipicamente local. A enorme cúpula em mármore do mausoléu principal, precisamente o de Humayun, é absolutamente vistosa, mas encontramos um pouco por todo o lado pormenores decorativos encantadores. À volta deste mausoléu, numa combinação perfeita, acompanham-no uns enormes jardins. Mas existem ainda mais mausoléus e jardins neste complexo.

Ainda não largando de vez os exemplos de grandiosos mausoléus que se parece encontrar um pouco por toda a cidade, o de Safdarjang, de 1754, é um dos últimos legados da arquitectura Mughal, embora a sua envolvente não esteja tão bem conservada.

Já mais afastados do centro, a uma boa dezena de quilómetros que levam bastante mais do que o esperado a percorrer dado o trânsito caótico de Delhi, ficam pelos menos dois lugares que merecem uma visita.

O lugar de Mehrauli, uma das primeiras cidades de Delhi, constituiu por volta de 1193 o centro do sultanato de Delhi, o primeiro reino muçulmano no norte da Índia. As construções que ainda hoje vemos, como mesquita, mausoléu e outros edifícios, estavam no coração da cidade muçulmana, mas o destaque maior vai para o Qutab Minar.

Este é o minarete isolado mais alto da Índia, com 72,5 metros de altura, apenas menos 5 pés do que o Taj Mahal. Baseado num estilo afegão, a sua construção foi iniciada em 1202 e apresenta cinco níveis distintos, onde se vêem diferenças arquitectónicas, resultado dos diversos acrescentos que lhe foram efectuados pelos sucessivos reinantes. Registo ainda para a existência aqui de um pilar em ferro que os cientistas de hoje ainda não descobriram muito bem como foi possível não oxidar ao longo destes séculos todos.

O outro local a visitar é o Templo Baha, também conhecido como Templo de Lotus, dado o edifício tomar a forma, precisamente, de uma flor de lótus. Os Baha, uma das religiões mais recentes, nascida na Pérsia no século XVIII, são conhecidos pela sua tolerância religiosa e por defenderem que existe apenas um deus, uma raça, um mundo. Todos estão convidados a visitarem este templo que, preceitos e preconceitos religiosos à parte, é mesmo uma obra de arte da arquitectura moderna. Construído em 1986 pelo arquitecto canadiano-iraniano Fariborz Sahba, o edifício com as nove pétalas brancas da flor de lótus é acompanhado exemplarmente por nove pequenas piscinas às quais se chega depois de uma escadaria que poderia constituir um anfiteatro.

Este templo é visitado por centenas de pessoas por hora, a maior parte delas parecem locais, ou seja, indianos. Mas não só o templo é uma atracção. Para nós, longe de sermos umas modelos ou umas estampas, foi difícil caminhar sem sermos constantemente abordadas para tirarmos umas fotografias. Um pouco por toda a Delhi, e também em Agra, sucedia isto. Mas aqui neste templo foi verdadeiramente incrível e um pouco incompreensível até, há que assumi-lo, ver as próprias mulheres a sugerirem e empurrarem os seus maridos para tirarem fotografias com as exóticas estrangeiras. Inesquecível e ainda mais inacreditável será, porém, lembrar a miúda loura que na India Gate aceitou tirar uma foto com uns poucos rapazes e logo no momento seguinte foi engolida por, sem exagero, umas três ou quatro dezenas deles.

Fora este fait-divers, Delhi revelou ser uma cidade enorme, sim, caótica, sim, mas surpreendentemente larga e com muitas zonas verdes, sem esmagar o visitante. Provavelmente teremos esta ideia por não termos passado para os seus arredores ou subúrbios, pois que os seus 12 milhões de habitantes em algum lado terão de estar, e certamente algo amontoados.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s