A Doçaria Portuguesa

Não sei fazer doces. Só entendo de comer doces, e isso muito bem. A maior parte das vezes devoro-os com tal intensidade que não me chego a aperceber dos seus ingredientes. Mas sinto o seu guloso sabor. Mas também não me importo de olhar para eles, nem que seja em fotografias ou ilustrações, e deixar-me ficar com água na boca.

Daí que a trilogia de livros “A Doçaria Portuguesa” tenha vindo mesmo a calhar. A primeira edição, dedicada ao Norte, saiu em 2016 e a segunda, dedicada ao Sul, no ano seguinte. No final de 2019 chegou a edição, a maior, dedicada ao Centro do país (e planeia-se uma próxima dedicada às ilhas). É um inventário da doçaria portuguesa, um trabalho de sapa de Cristina Castro com muitas horas no terreno a procurar e investigar a origem e tradição de doces conventuais, regionais e populares. Mas não apenas dos doces, mas também das pessoas e histórias das práticas doceiras, muitas delas curiosas e herdadas e passadas de geração em geração. Não são precisas receitas para degustarmos estes livros.

No prefácio da segunda edição, a do Sul, Maria de Lourdes Modesto escreve que “Portugal é um país doce”. Já Edgar Pacheco, no prefácio à edição do Centro, questiona-se “como é que um povo pequeno e pobre criou tanto doce a partir de três ou quatro ingredientes-base”.

Há doces para todos os gostos e feitios, uns mais seculares, outros criados há poucos anos. Quase todos eles momentos de inspiração dos seus criadores. E os seus nomes são igualmente inspirados: há o Bolo Podre e o Bolo Rançoso (é explicada a origem do nome deste último); há as Lesmas de Silves, as Mijoninhas Alpalhão e o Tecolameco do vizinho Crato; se há a Enxarcada também pode haver a Enxovalhada; os Casadinhos, os Bons Maridos e os Beija-me Depressa são capazes de conviver bem numa mesma casa; e as Rotundinhas? Um doce para quem adivinhar o lugar da sua origem.

Estas três edições têm ilustrações da minha amiga Ana Gil que, nem de propósito, produziu uns belos desenhos da Aletria – da terra da minha avó materna – e das Cavacas – da terra da minha avó paterna. Rio Tinto e Aldeia das Dez não fazem de igual forma parte das minhas referências geográficas. Em Rio Tinto nunca estive, mas adoro a doçura da aletria legada pela avó Quina; a Aldeia das Dez volto sempre, mas evito a secura da cavaca feita pelas conterrâneas da avó Mariazinha. Antes prefiro o Pão de Ló desta última, de cuja preparação acompanhava atentamente à espera de rapar a gemada que restava na tigela. Ou os Pançudos. Ah, onde estão os Pançudos de Aldeia das Dez neste inventário? Aqui fica mais uma ideia de doce para uma futura edição.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s