Por São Paulo – Parte 1

A caminho do Paraíso encontrámos Jesus Cristo. O número 1. O legítimo. Ele falava para o mundo. Anunciava as desgraças e profecias.
É de fragmentos destes que se fazem as grandes cidades. No caso São Paulo.
Paraíso é um bairro de São Paulo e Jesus Cristo era uma das muitas pessoas que ia no metro, metrô naquelas paragens, naquele final de tarde de regresso para casa ou para algum outro lugar.
Nós íamos a caminho do jantar em Higienópolis. Era Domingo. O jantar, segundo a tradição paulistana, e ainda mais com paulistanos, só podia ser um. Pizza.
E assim foi, na belíssima pizzaria Veridiana pedimos uma pizza familiar. Um terço com cogumelos, outro com palmito e outro com presunto parma. Antes veio uma caipirinha de mexerica, isto é, tangerina em português do Brasil, e depois uma pizza doce de nutella e morango e nutella e banana.
Retemperou a intensidade do dia, que se iniciou na Luz, zona norte da cidade, com uma espera de duas horas para entrarmos na Pinacoteca, cujo edifício foi intervencionado pelo arquitecto Paulo Mendes da Rocha.
Apesar do belíssimo acervo deste espaço, a responsabilidade da elevada procura deveu-se à exposição temporária do artista australiano hiper-realista Ron Mueck, também genro da pintora portuguesa Paula Rego. Para além desta exposição e da colecção permanente, que faz uma retrospectiva da arte brasileira desde o século XVIII até ao final século XX, aproveitámos para ver a outra exposição temporária em presença, as pinturas e desenhos do maior arquitecto paisagístico brasileiro, Burle Marx.
Durante a espera, numa fila que dava a volta ao edifício e se espraiava, aproveitámos para absorver a envolvente, nomeadamente o parque da Luz, os edifícios coloridos de apenas dois pisos, que contrastam com os edifícios mais altos, um dos quais se destaca pela empena grafitada em estilo pop art à la Roy Lichtenstein, pelo artista Daniel Melim.
Após a visita à Pinacoteca, atravessámos a rua e fomos ao Museu da Língua Portuguesa.
Este museu fica inserido na estação da Luz, que apresenta uma bela estrutura em ferro fundido e que apontam que seja similar a uma estação existente em Melbourne (Austrália) e outros que a sua torre é uma réplica do Big Ben de Londres.
O Museu da Língua Portuguesa trata-se de um núcleo museológico diferente e delicioso, que recorre de uma forma muito imaginativa e comovente à tecnologia. Vale uma visita pela viagem que se faz à nossa “pátria”, como Fernando Pessoa designou a língua portuguesa. Emocionante.

De alma cheia e barriga vazia, continuámos a nossa viagem rumo ao Mercadão. No enlace do pastel de bacalhau e da sandes de mortadela, dois ex-libris paulistanos. Comemos ambos no Hocca Bar, um barzinho que existe desde 1952 e é um dos espaços mais recomendados para comer estas duas delícias, que têm tanto de gostosas como de excessivas.

Em condições de prosseguirmos viagem seguimos para a Liberdade, o bairro que acolhe a maior comunidade japonesa do mundo fora do Japão. Aqui, desde a chegada dos primeiros japoneses na década 10 do século XX, foram ficando diversas marcas nipónicas.

Apesar de actualmente o bairro ser também ocupado por chineses e coreanos, as reminiscências japonesas estão lá, seja pelos produtos à venda, comida, restaurantes, lojas, designações de edifícios e estabelecimentos (Nagoya, Fuji, Ginza, cerejeira) como pela fisionomia das pessoas.

Este pedaço oriental de São Paulo é também um dos vários locais com marcas de street art, tão presente em São Paulo.

Deixámos a noite cair neste recanto nipónico, enquanto as luzes dos candeeiros ao estilo oriental se iam acendendo e os semáforos, com o símbolo dos templos japoneses, alternavam a espaços entre o verde e o vermelho.
Depois foi quando encontrámos Jesus.
Após esta epifania só nos restou ir desgustar as óptimas pizzas da Veridiana. A seguir vagueámos de carro pela noite dentro, pelo vazio nocturno do centro da cidade. Da grande cidade.  

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s