Por São Paulo – Parte 2

Segunda-feira. Início de semana. O vazio em que o centro da cidade se transforma no fim-de-semana volta a desaparecer. O centro da cidade torna a encher-se, com as pessoas que aí trabalham e lhe dão vida. É para esta área que vamos.
Primeiro, passamos rapidamente pelo mosteiro de S. Bento e atravessamos a ponte pedestre de Santa Ifigénia, em estilo art noveau, que passa por cima do Vale de Anhangabaú, para vislumbrarmos o centro e observarmos o edifício mais alto da cidade, o Vale do Mirante.
De seguida, como prólogo para o resto do dia, subimos ao Edifício Altino Arantes, mais conhecido por Banespão, por ser a sede do Banespa, o Banco de São Paulo. Este edifício inspirado no Empire State Building, foi durante anos o mais alto fora dos EUA. Vamos até ao 35º andar. Temos a cidade aos nossos pés e uma vista de 360º. Lá em baixo a cidade vibra, as pessoas fazem-se à vida. Para um lado avistamos a Avenida Paulista, no outro lado temos o Mercadão, ao fundo avistamos a Serra do Mar, logo em baixo vislumbramos a Sé.
Voltamos à base, quase literalmente, pois entramos numa casa muito portuguesa. A Casa Mathilde que apresenta doçaria tradicional portuguesa. Um dos sócios desta Casa adquiriu a marca histórica de Sintra. Experimentamos o pastel de nata. Massa perfeita, recheio bom.

Seguimos viagem até ao Páteo do Colégio, sítio onde em 1554 foi fundada a cidade.

Continuamos  para a Catedral Metropolitana de São Paulo, também conhecida como Catedral da Sé. Este edifício neogótico de grande escala foi construído em 1591 numa das extremidades da praça da Sé, onde se cruzam pessoas a caminho do trabalho ou outro local e permanecem indigentes e oportunistas das fraquezas dos outros, que dão pistas com base nos pressupostos bíblicos.
Do sagrado encaminhamo-nos para o profano. Para a 25 de Março, a rua das compras de tudo em versão económica. Antes subimos ao último piso do edifício Niazi, na esquina da ladeira Porto Geral com a Rua 25 de Março, uma espécie de Pollux mas do têxtil, para sentir toda a vibração térrea.

Horas de almoço e vamos até ao árabe Raful. O mundo das esfihas, kaftas, quibis, doces árabes e outras iguarias da cozinha árabe. Um mundo de delícias.

Voltamos à 25 de Março para logo seguirmos para a Avenida Ipiranga, onde mais à frente cruzamos com a S. João. Nada acontece, ao contrário da música do Caetano.

A não ser mais à frente, depois de passarmos a República, praça, e quando a Avenida Ipiranga cruza com a São Luís e damos com o Edifício Itália ou Circolo Italiano. Subimos ao topo do segundo edifício mais alto de São Paulo (o Mirante do Vale é o mais alto) e o terceiro do Brasil (o mais alto é no estado de Santa Catarina), onde fica o restaurante Terraço Itália.

Mais uma vez voltamos a ter a cidade aos nossos pés e o edifício Copan, do génio Niemeyer, ao nosso lado. Pena que o edifício ondulante esteja entaipado para obras.

Mas a vista do Circolo Italiano tem um impacto grande. Confirmamos a designação Selva de Pedra. Para onde olhamos avistamos construção, densidade urbana, edifícios altos.

Voltamos ao asfalto e continuamos para a praça Roosevelt. Aqui os skaters são donos. Mesmo ao lado passa um troço do polêmico Minhocão, artéria sobrelevada que foi construída, em 1970, com o intuito de desanuviar o trânsito e que liga a zona central à zona oeste da cidade. Esta infraestrutura tem um forte impacto na paisagem urbana e na vida das pessoas, já que o intenso tráfego passa mesmo junto aos apartamentos residenciais, razão porque nunca foi bem visto pela população. Ao longo do tempo foram sendo tomadas decisões para diminuir o impacto desta via, nomeadamente interditar à noite e aos Domingos, dia em que se transforma numa via destinada a pedestres e ciclistas.
Recentemente foi aprovada a demolição do Minhocão e a transformação do mesmo em um jardim linear e suspenso. Acredito que trará maior humanidade à cidade.
Voltamos para a área mais central, onde os edifícios pichados nos envolvem, para passarmos pela Praça das Artes, o mais novo núcleo cultural da cidade, com uma bonita arquitectura, faltando só um pouco de verde.
Passamos também pelo bonito edifício do Teatro Municipal, cruzamos o vale do Anhangabaú, para entrarmos no bar Salve Jorge e bebermos a famosa caipirinha com picolé, acompanhada de bolinho de carne-seca e mandioca.

Enquanto isso o dilúvio abate-se sobre a cidade. Esperamos tranquilamente pelo término deste desaguar a saborear a caipirinha e os bolinhos.
A chuva dá paz e voltamos a fazermo-nos à rua, via Augusta, onde nos cruzamos com um amigo paulistano e comprovamos que mesmo numa cidade grande há momentos que sentimos que afinal o mundo é uma aldeia.
Cruzamos a Avenida Paulista, descemos para os Jardins e acabamos no D.O.M, o restaurante do chef ex-punk Alex Atala. O considerado pelo S. Pellegrino World´s 50 Best Restaurants como o sétimo melhor restaurante do mundo e o terceiro da América Latina. No meio da refeição comemos uma formiga saúva que os índios utilizam para temperar as suas refeições na Amazónia. Na maior cidade da América do Sul e uma das maiores do mundo tudo é possível.

Mais de duas horas depois de termos iniciado o menu de degustação do reino vegetal saímos em estado inebriante pela colossal e majestosa porta do D.O.M. Arrebatador. Tudo, por estes lados.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s