Pousada Flor da Rosa – Crato

Já estamos em 2011 e esta já se passou há quase 6 meses, mas ainda vai (sempre) a tempo de ser incluída no nosso blogue.
Fim de Agosto, mais de 40 graus em qualquer sombra do país, porque não uma escapada de 4 dias até ao interior do Alentejo, longe da praia?
Loucura, claro. Mas se o objectivo era descanso, porque não escolher um convento para relaxar, com vista para a planície alentejana?

A Pousada Flor da Rosa, no Crato, com intervenção moderna de Manuel Graça Dias, fica num castelo / mosteiro cheio de história que já vem do século XIV.
Já pertenceu à Ordem do Hospital e à Ordem de Malta, por aqui passaram cavaleiros e o seu fundador foi ninguém menos do que D. Álvaro Gonçalves Pereira (que tem o seu túmulo na igreja), primeiro prior do Crato e pai de D. Nuno Álvares Pereira.

Encontram-se aqui elementos góticos, o seu claustro é lindíssimo, a torre do Castelo dá-nos uma visão da pacatez da aldeia de Flor da Rosa, com as suas casas alvas com friso amarelo torrado. O mosteiro, que é monumento nacional, foi sofrendo alterações ao longo da sua história até que em nos anos 1990 se iniciaram os trabalhos para a sua reconversão em Pousada de Portugal. Muitíssimo bem conseguida, há que referi-lo.
Temos, assim, os quartos que se situam numa das alas originais do mosteiro, com mais charme, com as paredes em pedra e as camas com dossel, e os quartos mais modernos, numa ala especificamente criada para o efeito.

Os espaços comuns são monumentais, mas confortáveis. A sala do bar e do restaurante são francamente bonitas, mas os seus pratos desta última não a acompanham. A piscina, bom, em Agosto nem a piscina nos salva; mas salva-nos a sua imagem, quer de dia, rectângulo azul junto à imponência do castelo, quer de noite, com os focos de luz a iluminarem o castelo no profundo Alentejo.
Falta referir que este sitio não é só para quem pode. A igreja, os claustros e o castelo estão abertos ao público.

Pousada Nossa Senhora da Assunção – Arraiolos

A estreia em Pousadas de Portugal.
Arraiolos, a pouco mais de uma hora de Lisboa, foi a escolha para uma pequena escapada de fim-de-semana com dia da mãe. Escolha acertada para um descanso longe do mundo. Escolha errada para quem não suporta ficar longe do mundo. Não é o caso. Escolha acertada, pois.

A Pousada de Nossa Senhora da Assunção fica instalada num antigo Convento (dos Lóios) do século XVI que nos anos 90 para a nossa geração foi adaptado à sua função actual.
Foi aproveitado o antigo espaço do Convento e adicionada uma nova ala. Tudo muito bem conseguido. Assim como o é o vale que lhe serve de poiso e paisagem, mas isso graças à Natureza. Não obstante a decoração da Pousada ser de bom gosto e equilibrada com a história, os quartos confortáveis e as refeições do restaurante merecerem a nossa degustação, é sem dúvida a localização e o cenário onde está implantada que lhe confere todo o ambiente retemperador. Com a vila dos tapetes ali mesmo como testemunha, e o curioso Castelo com muralha circular a dominar altaneiro, nós ficamos cá em baixo, na espreguiçadeira junto à piscina ou numa cadeira com os jornais em cima da mesinha na esplanada a assistir na plateia a toda esta vista, a que não faltam as ovelhas a passear por entre o verde do campo e as pequenas árvores.
Numa só palavra? Talvez duas: bons momentos.