Pelo Gerês – Caminhadas

Existem “n” actividades disponíveis para se fazer no Gerês, umas mais radicais e sofisticadas do que outras, mas visita ao Parque não fica completa sem as singelas caminhadas.
A nossa escolha recaiu no Trilho Cidade da Calcedónia, na expectativa de que em próximas visitas se possa ir realizando as demais caminhadas. A experiência, há que confessá-lo, não foi totalmente agradável. Apesar de este ser um dos trilhos oficiais, isto é, constantes do plano da Câmara Municipal de Terras do Bouro, a sua sinalização e condições do terreno não chegam ao limite do aceitável. A caminhada tornou-se, pois, perigosa e, assim, acabamos por ter direito à nossa actividade radical.
Foram cerca de 10km, em 5 horas de subida extenuante e descida que exigia toda a atenção por este trilho pedestre de pequena rota (PR). O grau de dificuldade vinha descrito como moderado mas, vejo agora, outros locais há que o caracterizam como de elevada dificuldade. Tivéssemo-nos documentado melhor previamente e nunca a mamã se veria metida nestas andanças. Mas sobrevivemos todas e valeu bem a pena a jornada.
O início e fim deste trilho circular é realizado em Covide e, para além do contacto privilegiado com a fauna e flora locais, tem com bónus suplementar o alcance do sitio arqueológico denominado “Fraga da Cidade” ou Calcedónia, lá bem no alto, no morro que teve em tempos a função de castro defensivo.

Por aqui o granito domina e, à medida que vamos alcançando o topo do monte, as rochas soltas vão-nos aparecendo com mais e mais frequência, com formas deveras curiosas, um cenário ideal para o desenvolvimento de um daqueles divertidos jogos que puxam à imaginação na escolha do
melhor objecto para se associar àquelas formas rochosas singulares.
Para leigos, nunca é fácil apercebermo-nos de quais as aves que vemos sobrevoar as nossas cabeças, mas por aqui existem diversas espécies como o falcão peregrino, a cotovia, o cuco, melro das rocha e melro-azul e a águia-de-asa-redonda. Diz que também existem por aqui lobos, mas felizmente não nos deparamos com nenhum. O que abunda é, sim, fetos. E torga. Aliás, foi a esta espécie de urze que Adolfo Rocha foi buscar o nome de Torga. Miguel Torga era natural de Trás-os-Montes e, amante da natureza, calcorreou estas paisagens fora. Em sua homenagem, a C.M. de Terras do Bouro designa um conjunto de trilhos pedestres como “na senda de Miguel Torga”.
Voltando ao duro trilho da Calcedónia, este acaba em beleza no Poço Azul, um recanto com um riacho com água fresquinha e, como não podia deixar de ser, clara e límpida, irresistível para se beber numa conchinha feita com as mãos.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s