Khajuraho

Khajuraho é um vilarejo meio perdido no estado indiano Madhya Pradesh. Fica a umas 10 horas de comboio de Delhi ou a umas 15 horas de autocarro de Varanasi. Por sorte há também avião em alguns dias da semana, o que encurta a viagem para cerca de 1 hora. E a verdade é que a simples possibilidade de podermos lá chegar é ela a grande sorte. Se lá chegarmos, então, é a taluda em versão kama sutra. Os pensamentos do demo que os hindus tornaram explícitos sob a forma de escultura foram mantidos afastados dos olhares e sentidos do mundo por muitos séculos, não só pelo isolamento de Khajuraho, mas também pela invasão da floresta.

Apesar de existirem registos de que o viajante Ibn Batuta visitou Khajuraho em 1335 e disso deu relato nas suas memórias, apenas no século XIX, quando um oficial britânico deu com dezenas de templos, é que o mundo moderno tomou conhecimento das obras de arte que a dinastia Chandela se dedicou a erigir por volta dos anos 950 a 1050. Esta história é parecida com a de Angkor, no Camboja, onde existem também templos hindus (e budistas), mas estes às centenas quer em número quer espalhados em kms. Sem querer voltar a Angkor, direi apenas que os templos de Khajuraho não devem nada àqueles no que diz respeito a elegância e fineza nos pormenores decorativos.

Estes 25 templos que chegaram aos dias de hoje (seriam 85), dispersos entre si cerca de 5 kms, são um magnífico exemplo da arquitectura Indo-Ariana. Estão divididos em três grupos, sendo o ocidental o mais famoso e interessante. Todavia, começámos o nosso périplo pelos templos do grupo oriental e sul.

O primeiro templo visitado foi o de Vamana, do grupo oriental, e não poderei jamais esquecer a surpresa perante tanta beleza, delicadeza, graciosidade e sensualidade. E os adjectivos nunca serão superlativos nem suficientes para descrever estes templos. Imaginar que nos dias de hoje tal pudesse ser criado já seria difícil. Imaginar, então, que há cerca de 1000 anos foi possível a existência e o labor de artesãos de tamanho talento e imaginação é inacreditável até chegarmos aqui e ficarmos frente a frente com estes edifícios escultóricos. Lá estão cravados deuses, animais mitológicos, guerreiros, dançarinas, músicos e muitas cenas com poses eróticas. Os elementos mais retratados, de uma forma quase obsessiva até, são as mulheres e o sexo. O detalhe é profundo e para além de invadirmos a privacidade dos deuses nas suas posições sexuais mais imaginativas, vemos ainda detalhes de cenas tão banais como as apsaras (as ninfas celestes) a retocar as sobrancelhas ou a pintar os pés ou observamos tão somente pormenores dos seus saris.

Outro templo do grupo oriental que merece destaque éo templo jainista de Parsvanath. É belíssimo, numa escala menor dos do grupo ocidental, mas com todas as figuras que aí são retratadas. O seu interior éigualmente fascinante.

No grupo sul, de destacar o templo Duladeo. Longe de ser o mais fino e delicado, este templo mais recente tem, no entanto, retratadas à exaustão cenas eróticas absolutamente picantes. Devo dizer, todavia, que não nos conseguimos concentrar inteiramente nos detalhes das esculturas pois um simpático velhinho hindu desdentado insistia em nos explicar de forma muito explícita, com gestos e sons, as cenas que desejava que nós víssemos, apontando para o templo.

O grupo ocidental alberga 11 templos distantes entre si não mais de 500 metros. Destes, dois destacam-se por serem os mais grandiosos e graciosos. O de Lakshmana, dedicado a Vishnu, é o mais picante de todos, mais ainda, com havíamos de descobrir, que o de Duladeo, com cenas eróticas que para além de muita ginástica metem também cavalos. Para não dizermos que os Chandela sópensavam em sexo, existem ainda muitas cenas de guerreiros e batalhas. E para desviarmos completamente a nossa mente e olhar destas cenas badalhocas e violentas, dizer ainda que existem esculturas lindíssimas e perfeitas de elefantes.

Mas a perfeição pretendeu ser atingida com a criação do templo Kandariya-Mahadev, o maior e o mais representativo da arquitectura da dinastia Chandela. E, na realidade, este templo dedicado a Shiva é geometricamente perfeito e conseguiu superar os outros. Equilibrado e harmonioso, tem cerca de 30 metros de altura e balcões lindos como quase todos os outros templos. É aqui, todavia que encontramos as cenas mais bonitas dedicadas à beleza da mulher, para além de muita acrobacia e a, provavelmente, imagem de sexo mais famosa de toda a Khajuraho.

Os templos deste grupo ocidental formam um conjunto arquitectónico e artístico harmonioso e magistralmente acompanhado por um espaço de jardim muito bem cuidado.
  

Apesar de as cenas e pormenores se irem repetindo, e os próprios templos não variarem muito no seu exterior, a sua beleza e delicadeza salva qualquer enfado. Imperdível esta maravilha à distância de um voo de Delhi a poucas dezenas de euros.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s