Berlim é…

…para além do já referido, a Ilha dos Museus, com os seus extraordinários museus, como o Pergamon, onde podemos admirar, entre outras preciosidades, a Porta de Ishtar (o altar de Pergamon só volta a estar disponível em 2019), e o Neues Museum, casa da belíssima Nefertiti.
Deliciarmo-nos com as cores do fim de tarde na Catedral de Berlim.
 
 
Deslumbrarmo-nos com outros excelentes museus como a Gemaldegalerie, com os seus Botticelli, Rubens, Vermeer e Rembrandt, e o excêntrico Sammlung Boros, instalado num bunker da 2ª Guerra Mundial.
Irmos à Kulturforum, onde fica a Neue Nationalgalerie do Mies Van der Rohe, fechada por uns tempos, e a Berliner Philharmonie.
 
 

Avistarmos a Fernsehturm, a torre da televisão, sempre omnipresente.
 
 
 
 
Recuarmos no tempo na Alexanderplatz.
 

Tentar dizer bem Schlesische Strasse e não conseguir.
Darmos com as infraestruturas acima do solo na ex-Berlim Oriental.
 
 
 
Apreciar a arquitectura do quarteirão governamental à beira do Spree, nomeadamente os edifícios Paul-Löbe-Haus e Marie-Elisabeth-Lünders-Haus.
 

Juntarmo-nos à multidão nas Portas de Brandemburgo.
 

Admirarmos a obra de Frank Gehry que invadiu esplendorosamente o DZ Bank.

O Tiergarten, despido e castanho pelo frio do Inverno. Curioso pensar que o Inverno faz às árvores o mesmo que o Verão faz às pessoas.
 
 
Deambularmos pela belíssima praça Gendarmenmarkt.

 
Perdermo-nos com os chocolates da Fassbender & Rausch.
 
 
Percorrer a Unter den Linden.
Continuar a não conseguir dizer bem Schlesische Strasse.
Darmos inesperadamente com o Bonjour Tristesse, de Siza Vieira.
 
 
Perdermo-nos com as cores, aromas e sabores do Mercado Turco em Kreuzberg.
 

 
Comermos nos múltiplos restaurantes étnicos, desde os turcos de Kreuzberg aos vietnamitas do Mitte.
Andarmos pelas margens do rio Spree.
 

Comermos currywurst sempre que a fome aperta.

Deslumbrarmo-nos com a fachada da Neue Synagoge, em Scheunenviertel.

 

Perdermo-nos pelas lojas, galerias e cafés dos pátios interligados da Hackesche Hofe.

Deambularmos pela City West.
Entrarmos na KaDeWe e ficarmos com água na boca no interminavelmente delicioso sector da alimentação.
Percorrermos a Kurfurstendamm, Kudam para os amigos.
Darmos com a Kaiser-Wilhelm-Gedächtniskirche, a igreja bombardeada.
 
 
Irmos às compras no fantástico Bikini Berlin.
Atravessarmos as ruas na presença do Ampelmann, o bonequinho dos semáforos criados em 1961 na Alemanha Oriental.

 

Cruzarmo-nos frequentemente com arte urbana. 

 

Revivermos momentos gloriosos no Estádio Olímpico.
 

 
Continuar sem conseguir dizer Schlesische Strasse e outras palavras alemãs.
Definitivamente terei que voltar a Berlim.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s