Casas e Vilas da Capadócia

Os longínquos habitantes da Capadócia usaram as rochas para aí escavarem as suas casas, mesmo que para isso tivessem que escalar umas dezenas de metros. O que hoje, aos nossos olhos, parece uma missão impossível e pouco prática para se montar uma residência tinha, na verdade, um propósito mais largo: a segurança contra os invasores e inimigos, bem como um aproveitamento das condições naturais dos materiais rochosos que, assim, asseguravam uma boa insolação – mais quente no Inverno e mais fresco no Verão, tendo em conta que ambas as estações são rigorosas nesta região.

(habitações em Uchisar)

Nos dias que correm, muitas destas casas, conhecidas por caves, são aproveitadas pelos habitantes nossos contemporâneos, com a diferença de que hoje dispõem de condições pelo menos muito próximas daquilo que consideramos “conforto”. Parte delas foram transformadas, inclusivamente, em pensões ou hotéis para receber os turistas.
Ficámos num deste em Goreme e, mais uma vez, graças ao guia Lonely Planet, acertamos em cheio na sua escolha. O “Kelebek Hotel” tem uma situação geográfica fantástica, num plano mais elevado, permitindo contemplar grande parte da Capadócia ao mesmo tempo que nos sentamos ou deitamos a beber um chá numas das almofadas típicas e confortáveis que se vêem um pouco por toda a Turquia. A decoração dos quartos faz-nos pensar que somos personagens de uma das histórias das mil e uma noites – o site do hotel permite-nos conhecer e escolher antecipadamente os quartos (escolhemos o n.º 13 para podermos dormir viradas para os tapetes plantados no tecto). E os donos e funcionários do hotel são uns amores, disponíveis e prestáveis no que diz respeito a dicas para passeios pela região, quer organizados quer a solo.
Só por isso já valia a pena ter ficado mais dias na Capadócia e no seu Kelebek (uma raça de pombo). Aqui permiti-me fazer algo a que não estou habituada nas minhas curtas viagens, sempre aproveitadas ao máximo: chegar antes do entardecer ao hotel e sentar, relaxar, contemplar o espaço à minha volta.

(um dos pátios do Hotel Kelebek, com a vista do castelo de Uchisar ao fundo)

Goreme é uma vila situada na Capadócia, a mais usada como poiso para os turistas. Não tem mais de 2000 habitantes, com a curiosidade da coordenadora do guia Lonely Planet “Turkey” ter ela própria uma casa por aqui. A vila dispõe de todas as condições – hotéis, restaurantes, agências de viagem – e é um ponto de paragem de autocarros vindos das redondezas, bem como de cidades bem mais afastadas (Istambul está à distância de cerca de 11 horas, Ankara de 4 horas e Kayseri, o aeroporto mais próximo, a 1 hora).
Não obstante este ar de ponto de acolhimento turístico, com toda a artificialidade a isso subjacente, conserva algo daquilo que caracterizaríamos como “parado no tempo”. Os seus habitantes dedicam-se à agricultura e à cultura da vinha e a muitos deles encontramo-los sentados, à porta das suas casas, dedicados ao artesanato. Quando passamos, aproveitam para nos convidar a entrar, a conhecer as suas casas centenárias, a sua vida. O convite é autêntico, apesar de sabermos bem que por trás de toda esta hospitalidade está a intenção de nos vender os seus trabalhos.
Em Goreme fica o chamado “Museu ao Ar Livre”, declarado pela Unesco património da humanidade. Uma concentração de igrejas bizantinas e um bom primeiro contacto com as formas rochosas e casas escavadas na rocha que iremos encontrar pela região. Em Zelve, não muito longe dali, encontraremos um outro “Museu ao Ar Livre”.

(castelo romano em Goreme)

Se alugarmos um carro por um dia conseguiremos dar uma saltada a várias das vilas / aldeias próximas a Goreme e que com ela têm em comum o facto de por lá existirem as rochas / casas típicas da Capadócia.
Uçhisar com o seu castelo, Çavusin com frescos no meio de um amontoado de rochas escavadas pelo Homem e pelos pombos, mais se assemelhando a uma cidade fantasma que todos tiveram pressa de abandonar, Ortahisar também com o seu castelo, Mustafapasa a recuperar as suas caves para receber os turistas e Urgup, a maior em número de habitantes nas imediações, a cidade que todos na Turquia conhecem, uma vez que as suas ruas são palco das filmagens de uma das séries de televisão de maior audiência no país. Avanos não têm piada de maior a não ser para se percorrer as suas lojas de artesanato. Não se pode dizer que sejam uma autêntica pechincha mas para o trabalho – todo à mão – que os artesãos realizam anda perto disso. A maioria das peças são lindas e ainda ganhamos o direito a uma explicação detalhada por parte do artista acerca da maneira como o trabalho é feito e, se desejarmos, podemos nós próprios moldar algumas peças e brincarmos aos oleiros. A cidade de Nevshehir, a maior da região (sem contar com Kayseri, a do aeroporto), serve apenas de passagem, para se mudar de autocarro, nomeadamente para seguir até às cidades subterrâneas de Derinkuyu e Kaymakli.

(o parque de estacionamento de Urgup)

Feita a apresentação das vilas / aldeias / lugares, resta dizer que se é certo que ninguém vem até à Capadócia à espera de encontrar centros urbanos densificados é também certo que aqui se dispõe de todas as condições básicas para permanecermos o tempo que desejarmos. E esse básico é, para mim, a possibilidade de se tomar um bom banho e uma boa refeição. Não há compras (tirando as almofadas e os tapetes), mas existe um computador disponível em quase qualquer canto (muito útil para descarregar as fotografias).
É o suficiente para fazermos uma pausa na vida do nosso mundo ocidentalizado e globalizado e nos alhearmos um pouco da realidade.

Capadócia em 11 Passos

Nesta região da Anatólia Central é difícil fugir aos lugares comuns para descrever a sua paisagem.
Lunar, deslumbrante, magnifica, mágica, especial, tudo palavras que servem para descrever a Capadócia mas também muitos outros lugares igualmente especiais do nosso planeta. Mas esta zona do globo está longe de se assemelhar ou sequer se aproximar a qualquer outra. Não! Nada se compara ao cenário que se nos apresenta aqui.
As suas rochas, com um desenho muito característico, só aqui se encontram.
A sua origem deve-se às erupções vulcânicas que deixaram a área sob uma camada de tufo, uma rocha macia formada pela compreensão das cinzas, misturadas com penedos de duro basalto. Depois vieram a ser moldadas pela conjugação de diversos factores naturais para além das erupções vulcânicas, como a lava, a chuva, o vento, os rios, em estreita colaboração com a temperatura e o degelo, e ainda hoje continuam em constante mudança – um milímetro para aqui, um milímetro para ali, em cada década ou par de décadas, tudo impossivelmente imperceptível à vista desarmada mas que deixará aos nossos descendentes umas formas diferentes das que se vêem actualmente. Tudo isto graças à erosão, mas também à acção do Homem, que faz questão de deixar a sua marca naquilo que a Natureza nos lega. Ainda para mais o turismo ataca em força por estas bandas e ainda está só no começo.
À parte o turismo, e por mais estranho que possa parecer, o pó vulcânico aqui presente é bastante fértil e por todo o lado se vêem pomares, hortas e vinhas, o que permite aos seus habitantes não depender exclusivamente da indústria do novo século.

4 dias podem ser mais do que suficientes para explorar a Capadócia mas não são de mais.
Uma pequena ideia do que podemos encontrar nesta terra, cujas imagem de marca – as rochas – são as “chaminés de fadas”:

– igrejas rupestres, marca do cristianismo que em tempos por aqui imperou (ver post anterior);

– mosteiros com cenário de tal forma irreal que servem de set de filmagem para Guerra das Estrelas (Selime);
– cidades subterrâneas, usadas pelos nossos antepassados como esconderijos imensamente extensos, quer em comprimento quer em altura;

– cidades fantasma como Çavusin;

– compras de lindas e exclusivas peças de artesanato / olaria em Avanos;

– caminhadas sob o sol impiedoso pelos vales de rochas estranhas;

– caminhadas sob as copas das árvores do Vale de Ilhara;

– o pôr do sol visto do topo do castelo de Uçhisar;
– o nascer do sol visto de um dos inúmeros balões de ar quente que todas as manhãs sobrevoam a Capadócia;

– um pequeno almoço no Kelebek Hotel de frente para o cenário irreal de formas de rochas e caves, com os gatinhos e abelhinhas por companhia;

– uma sentada, como os locais, pelos campos ou à beira da estrada.

Capadócia e Cristianismo

Não tenho a certeza de qual a primeira vez em que terei ouvido falar da Capadócia.
De tão mítica que é, fácil se torna que pertença ao nosso imaginário, por este ou aquele motivo. O difícil é saber porquê e donde vem a dita imagem.
O certo é que cantarolava a música “Jorge da Capadócia” sem nunca ter prestado grande atenção à sua letra. Jorge Ben Jor é o seu autor (inspirou-se na “Oração de São Jorge”), mas conhecia-a melhor ouvida pela voz de Caetano Veloso ou pela de Fernanda Abreu, que a recriou de uma forma muito funk.

“Jorge sentou praça na cavalaria
e eu estou feliz porque eu também sou da sua companhia
eu estou vestido com as roupas e as armas de Jorge
para que meus inimigos tenham pés, não me alcancem
para que meus inimigos tenham mãos, não me peguem, não me toquem
para que meus inimigos tenham olhos, e não me vejam
e nem mesmo um pensamento eles possam ter para me fazerem mal

armas de fogo, meu corpo não alcançará
facas, lanças se quebrem, sem o meu corpo tocar
cordas, correntes se arrebentem, sem o meu corpo amarrar
pois eu estou vestido com as roupas e as armas de Jorge

Jorge eh da Capadócia, viva Jorge”

Talvez pensasse que o “Jorge da Capadócia” pudesse ser o próprio Jorge Ben Jor.
Mas, nada como uma ida ao próprio local para rever teses julgadas acertadas.
O dito Jorge não é mais do que o Jorge do Dragão. O São Jorge, patrono de Inglaterra, Portugal, Geórgia, Lituânia e até dos escoteiros. A lenda conta-nos que o nosso herói, guerreiro vindo da Capadócia, salvou uma princesa das garras de um dragão com a sua famosa espada.


E pela Capadócia, região no coração da Turquia muçulmana, em pleno Médio Oriente, continente asiático, não faltam pequenas igrejas escavadas nas rochas com frescos e pinturas representando a vida de São Jorge e, em especial, esta passagem, prestando-lhe, assim, homenagem que chega praticamente intacta até aos dias de hoje, tal é o grau de boa conservação de muitas dessas pinturas.
A essa boa conservação das pinturas muito contribui a escassa luz que dispõem estas pequenas igrejas rupestres, a maioria do século X, que muitas das vezes não chegam a ter mais de 10 m2. Daí que seja quase uma aventura conseguir entrar nas salinhas se se tiver o azar de apanhar com um dos imensos grupos de turistas que viajam pelo mundo e, por maioria de razão, pela Capadócia.


O Museu ao Ar Livre de Goreme é um bom local para se explorar estes exemplares. Considerado Património Mundial pela Unesco, neste local existem mais de uma dezena de igrejas, mosteiros, aos quais não faltam refeitórios, e crê-se que terá sido um dos principais centros religiosos do século XI. Estas igrejas são do período bizantino, marcadamente cristão, durante o qual a Capadócia se terá tornado um local de refúgio para os cristãos. Com a chegada dos Seljuks e dos Otomanos, um século mais tarde, a que correspondeu o natural declínio do cristianismo, este foi, ainda assim, tolerado pelos novos invasores.
Foi apenas em 1907 que um padre francês redescobriu estas igrejas e, umas quantas décadas depois, nos anos 80, deu-se o boom do turismo na Capadócia, ainda que não por motivos religiosos.
Fica, no entanto, à parte a vertente geológica, o registo da história do ponto de vista religioso daquele que é considerado como um dos mais antigos berços do cristianismo oriental.

Umas das muitas igrejas / caves nas formações geológicas do Museu ao Ar Livre de Goreme, Capadócia

Toca a Bazar

O Grande Bazar é descrito e internacionalmente reconhecido como “o” local a não perder em Istambul. Que a visita à cidade não ficará completa sem uma paragem aqui. Que não conheceremos a alma turca sem aqui pararmos. Que é impossível não perder a cabeça nas mais de 58 ruas e 4000 lojas deste mercado coberto, um dos maiores do mundo, mas fácil de perder o peso da carteira.
Bom… perder a cabeça, não sei, mas que é muito fácil desorientarmo-nos por lá, isso é verdade. Nem adianta muito que o Grande Bazar esteja mais ou menos compartimentado por zonas – a da peles, a das malas, a da joalharia, a do ouro, a das pratas, a das antiguidades, a dos adereços, candeerinhos e roupinha baratucha e, talvez a mais famosa, a das carpetes. As suas ruas parecem não ter uma orientação lógica, são becos sem saída ou com saída para alguma loja onde já estivemos. Ou onde nos parece que já teremos estado. São todas a mesma coisa. Baralha e dá de novo. Por isso, não, para a minha carteira não foi nada fácil ficar menos pesada.
Como explicar que reservei uma manhã inteirinha – a última da viagem – para visitar e explorar o Grande Bazar e consegui sair de lá sem nada mais do que entrei? Como explicar que não consegui deslumbrar-me com quase nada do que vi? Que me saturei rápido do que me pareceu um vastíssimo centro comercial para turista ver?
Difícil? Talvez não. Basta recordar que existem outros exemplos bem melhores da cultura de comerciantes natos que os turcos carregam. As ruas que circundam o Grande Bazar, essas sim, dão-nos uma ideia autêntica do comércio em grande escala, da confusão de uma grande metrópole, onde tudo se vende, onde as mercadorias invadem os passeios, não se limitando ao confinamento das quatro paredes de uma loja de bairro. E aqui os turistas – poucos – passam despercebidos no meio das constantes idas e vindas dos turcos negociantes.

Mas bazares pela Turquia há muitos. Não tão grandes ou famosos como este – “Kapalıçarşı” em turco, com direito a página na Internet e tudo – mas, talvez, mais interessantes e marcantes. Aqui mesmo, em Istambul, e para aqueles que como eu lhes basta entrar num El Corte Inglês ou, tão só, numa Zara para ficar logo com a cabeça à roda e o corpo a estremecer com o único objectivo de encontrar a saída mais próxima, dizia, aqui em Istambul talvez seja boa ideia começar por dar um passeio ao Bazar das Cavalariças (Arasta), bem mais pequeno e de fácil orientação, com diversos exemplares de objectos que se encontram também no Grande Bazar.

Para uma exposição – para venda – de carpetes e kilims, uma ida ao Haseki Hamam, junto à Aya Sofia, é um bom ponto de partida e chegada. Ainda para mais, com esta adaptação a loja(s) de um antigo edifício de banhos consegue-se aliar estas duas ricas tradições turcas: carpetes com banhos.

Bem colado ao Grande Bazar fica o Velho Bazar dos Livros, este sim imperdível. No entanto, também não consegui comprar aqui nada, ainda que por razão diversa. As gravuras pertencentes a antigos livros são um deslumbre; as quantias que por elas pedem uma machadada no coração e um ataque aos nossos bolsos. Bem sei que é suposto serem autênticas, originais e únicas. Mas… não podiam fazer um desconto maior? Nem com o tradicional regateio lá vamos, uma vez que o preço por uma folhinha menor que um A5 não baixa muito mais do que 70 euros. A acrescer a isso vem ainda o facto de, caso queiramos mesmo adquirir alguma peça, sermos obrigados a acreditar na boa fé do vendedor que nos garante a sua autenticidade. Não obstante, vale a pena perdermo-nos pelas páginas destes livros, sejam soltas ou não.


E, para último, fica o melhor. O mais saboroso, para ser mais correcta. O Bazar das Especiarias, junto à Mesquita Nova (Yeni Cami). Que deleite! A hospitalidade turca atinge aqui o seu ponto alto. São lojas e mais lojas dedicadas não só a chás e ervas que nunca ouvíramos falar ou sequer imagináramos, mas também a doçaria tradicional turca. Saborosíssima (se arrependimento matasse não ousaria arriscar trazer apenas uma caixa cheia de docinhos). E os seus donos fazem questão de, porta sim porta sim, nos oferecerem os seus produtos para provarmos. Para além da barriga ficar plenamente satisfeita, também os olhos se encantam com o colorido das várias especiarias expostas nas bancas. E os cheiros… uma delícia. Aqui, no Bazar das Especiarias, os nossos sentidos unem-se de prazer e guardam na memória esta Turquia felizmente ainda tão pouco europeia.

Cagaloglu Hamami

O New York Times apresenta uma ida ao Cagaloglu Hamami (banho turco) como um dos 1000 lugares a ir antes de morrer.
Pois bem, estando em Istambul e depois de um dia esgotante, a percorrer esta maravilhosa cidade, sentimo-nos para morrer. Morrer? Ups… Então é urgente uma ida à Yerebatan Caddesi, onde se situa o Cagaloglu Hamami. Não só para cumprir a dica do NYT, mas também para adiar o final terreno. Pois, após uma sessão de banho turco, relaxamento e rejuvenescimento são sentimentos garantidos.
Os hamam, ou banhos turcos, descendem dos banhos romanos, que foram adoptados pelos Bizantinos e mais tarde pelos Otomanos. Se inicialmente eram um compromisso entre a higiene e o prazer corporal, actualmente, em que a maioria das casas turcas têm instalações sanitárias, os banhos são sobretudo uma instituição social.
Isso percebe-se quando se entra nos Cagaloglu Hamami, que foram construídos em 1741 pelo Sultão Mehmet I.
O primeiro passo ao entrar é escolher o serviço, que varia entre a opção de self-service e a luxuosa ensaboadela. A escolha pode não ser fácil se a vergonha e a ansiedade pelo desconhecido imperarem. Porém os acanhados que optarem pelo self-service irão perder a parte mais intensa e prazerosa de uma ida a um hamam.
Escolhido um serviço é fornecido um pestemal (pano), o qual serve para tapar o corpo após tirarmos a roupa, e umas tamancas. Esta operação de mudança de roupa é feita nas cabinas que circundam a camekan, um pátio interno onde é possível beber um chá e conviver após o banho.
Já enroladinhos com o pestemal e de tamanca nos pés, passa-se pela sogukluk (sala intermédia), onde no final são dadas toalhas secas, e encaminhamo-nos para a hararet (sala quente), que é a principal sala de banhos turcos e onde nos sentamos a suar no vapor o tempo que desejarmos.

Quem optar pelo self-service terá direito ao banho de vapor e a banhar-se com água, ora fria ora quente, que sai de um género de fonte. Já quem optar por um serviço completo tem direito a tudo o descrito em cima, mais a uma ensaboadela vigorosa, que retira a sujidade que nem sequer suspeitávamos ter, e a uma massagem na gobeck tasi (pedra de mármore aquecida), que fica no centro da sala quente. A massagem é feita de uma forma completa (pés, pernas, barriga, costas, braços, cabeça) e vigorosa, o que faz com que seja revitalizadora e divinal.
Toda a experiência da ida a Cagaloglu Hamami é extraordinária, não só pela sensação relaxante mas também pelo espaço que, para além de ser histórico, é de uma beleza arquitectónica fantástica.

Istambul Velha

Subindo desde a zona do porto de Eminonu, desembocamos no bairro de Sultanahmet, conhecido como a “Velha Istambul” e classificado pela Unesco como Património Mundial, primeiro local onde os antigos Bizantinos se instalaram. Aqui fica concentrada, provavelmente, a maior quantidade de monumentos extraordinários por m2 em todo o mundo. Exemplos? Aya Sofia, Mesquita Azul, Palácio Topkapi, Cisterna da Basílica. Ufa! Sem falar de um sem número de outras mesquitas e edifícios que se vão encontrando pelo caminho.

Começando pela Aya Sofia, dedicada não a uma santa qualquer mas antes à santa sabedoria (Hagia Sophia, a Divina Sabedoria em grego). Mas como começar pela grandiosa, a imponente, Aya Sofia se ela se encontra cara a cara com a Mesquita Azul, a belíssima, a extraordinária, a maior de todas as mesquitas, construída para rivalizar com a sua vizinha da frente?


Como antiguidade ainda é um posto, comecemos, então, pela Aya Sofia. E pela curiosidade de esta ser uma das 21 “finalistas” em disputa por um dos 7 lugares das “Novas 7 Maravilhas do Mundo”, em votação online. Foi construída no século VI por decisão do Imperador Justiniano, no sentido de recuperar a grandeza do Império Romano e se tornar o maior templo de toda a cristandade. Em 537 ficou concluída – o que quer dizer que tem praticamente 1500 anos (!) – e começou por ser, por influência da época, uma igreja cristã. Em 1453 foi convertida em mesquita e assim permaneceu até 1935, quando Ataturk, “o Pai dos Turcos”, fundador da Turquia moderna, decidiu que deveria converter-se em museu, talvez como parte do seu programa de separar o Estado da religião. O seu interior, com uma cúpula de cerca de 56 metros, apesar dos medalhões gigantes com inscrições em caligrafia árabe, conserva inúmeros mosaicos com motivos cristãos, os quais haviam sido cobertos durante a influência muçulmana. Hoje é visível uma plena convivência de motivos das 2 religiões.
Não obstante todo este esforço para legar Aya Sofia à história, existe quem não se deixe convencer com toda esta grandeza. Mark Twain (o pai de Tom Sawyer) defendia que a igreja / mesquita não passava do “mais velho e bafiento palheiro de todas essas terras de pagãos”. Está certo que o exterior da Aya Sofia pode discutidamente ser considerado monstruoso também no mau sentido da palavra. Mas daí a palheiro e bafiento? Afinal parece que a cruzada americana contra os “pagãos” do Médio Oriente já vem de longe.


A Mesquita Azul, bem visível das janelas da galeria da Aya Sofia, foi construída bem mais tarde, entre 1609 e 1616 (um milénio após a Aya Sofia mas, ainda assim, com a bonita idade de cerca de 400 anitos). Foi projectada em grandíssima escala pelos arquitectos muçulmanos propositadamente para rivalizar com a vizinha cristã. Causou polémica na altura por o projecto desta mesquita conter 6 minaretes – o que até aí apenas a mesquita Kaaba, em Meca, o mais sagrado lugar do islão, dispunha. A questão resolveu-se com o acrescento de um sétimo minarete a esta última.
Os turistas, como curiosos que são, e não crentes, têm uma porta especial de entrada na Mesquita Azul, nos fundos, mas podem assistir à oração. Para tal têm de cumprir as regras: calçado à porta e lenço na cabeça para elas, bem como braços e joelhos devidamente cobertos (regras comuns, aliás, à entrada em qualquer mesquita, esteja ou não em hora de oração). Quanto ao azul do nome da mesquita, este deve-se à decoração do seu interior, em azulejos de Iznik (ainda que hoje a cor azul não seja assim tão dominante, uma vez que originalmente não seria esta a decoração, pelo que tem vindo a ser reposta a antecedente). O chão da mesquita é todo ele coberto de carpetes.


Não obstante todas as grandiosas mesquitas de Istambul, a que podemos ainda acrescentar os nomes da Suleymaniye (situada imponentemente num dos pontos mais altos da cidade), da Yeni (“Nova”, apesar de ter cerca de 400 anos), da Fatih (perto do Aqueduto), a mais encantadora será a Rustem Pasa. Encontra-se escondida entre o bazar das especiarias e o imenso bazar que são as ruas que lhe servem de fronteira. Pequena mas intensamente decorada de azulejos predominantemente azuis no seu interior (esta, sim, mereceria o título de “Mesquita Azul”). A entrada é feita por um vão de escada, onde se vendem óculos e bugigangas, que vai dar a um páteo sossegado. Um mimo.


Do outro lado da rua que atravessa a Aya Sofia e a Mesquita Azul fica a Cisterna da Basilica. Já tinha sido avisada e, de facto, confirmei – apesar da concorrência feroz em Istambul, nenhum dos outros pontos fica a dever nada à Cisterna em termos de imponência, arquitectura, engenharia e deslumbre. Uma autêntica surpresa que esmaga o incauto turista, que não esperaria encontrar um exemplo desta magnitude sob a cidade. A enorme Cisterna foi construída por Justiniano para abastecer o Grande Palácio que na época ocupava quase toda a área do que hoje conhecemos por Sultanahmet. A existência ou, melhor, a redescoberta da Cisterna só aconteceu por volta de 1545, bem depois da tomada do poder da cidade pelos Otomanos, quando estudiosos mais atentos viram locais sair dali com baldes de água e alguns, até, abastecidos com pescaria. Ainda hoje, aliás, se podem vir peixinhos, peixes e peixões a nadar nas águas da Cisterna, sob os efeitos da luz que confere ao local uma atmosfera especial, quase mística, composta por cerca de 336 colunas de mármore com mais de 8 metros. No entanto, apenas 2/3 da estrutura original se encontra visível.


A não perder as cabeças de medusa em duas colunas num dos cantos do percurso.

Ali perto, nas traseiras da Aya Sofia, fica o Palácio Topkapi. Tão lindo, tão lindo que nos 4 dias em Istambul fomos lá por duas vezes, em dois dias diferentes. Está bem que o “bis” não foi nem planeado nem propositado. Quem manda comprar guias e obter documentação e depois não a ler com atenção? Assim falhou a informação de que à terça-feira o Harém está fechado. Resultado: volta ao Topkapi, praticamente colado ao nosso hotel, exclusivamente para fazer os caminhos que outrora sultões e suas concubinas fizeram.


E este é, de facto, um local que é obrigatório não se perder. A visita é necessariamente guiada e, neste caso, valeu bem a pena andar em conjunto com o rebanho. Curioso. O Harém (proibido, em Árabe) já foi o edifício mais inacessível do mundo e hoje recebe enchentes de turistas que tentam ganhar posição em cada uma das imensas salas visitáveis. A competição continua por estas bandas já que antes eram as mulheres do Harém – chegaram a ser mais de 1000 as concubinas que aqui viviam – que tentavam disputar um lugar para serem consideradas a preferida do sultão. O tour permite-nos ter uma ideia do que era a vida luxuosa dos sultões, passando pelos ricos quartos privados do sultão, salão imperial, sala de jantar de Ahmet III e pavilhões gémeos, inteiramente decorados com azulejos. E dá-nos, igualmente, uma ideia da vida das concubinas, passando e passeando pelo pátio e pelos alojamentos que em tempos foi seu, bem em frente dos pavilhões gémeos, construídos para o príncipe herdeiro (para se ir habitando a ficar perto das suas inúmeras futuras mulheres?).

Para além do Harém, muito há a admirar no Palácio Topkapi. Uma manhã exclusivamente dedicada à sua visita não é demais, pelo contrário. Construído entre 1459 e 1465, logo após os Otomanos terem conquistado Constantinopla, foi a principal residência dos sultões até 1853, quando estes decidiram mudar-se para o Palácio Dolmabahçe. São pátios e mais pátios, jardins e mais jardins, pavilhões e mais pavilhões, todos debruçados sobre uma vista maravilhosa para o Bósforo.


A chegada ao terraço que dispõe de uma “janela” aberta para este estreito é deslumbrante.


Do lado oposto, no terraço de mármore com a piscina, a vista para o Corno de Ouro e Beyoglu é também imperdível. Mas aqui é principalmente o espaço que pisamos que deslumbra. A arquitectura e os pormenores dos edifícios é puro trabalho e requinte. Este é o designado 4.º pátio que, para além da piscina, acolhe a sala da circuncisão e o pavilhão de Bagdade. Igualmente, no 3.º pátio, a sala das audiências, com os imponentes trono e divãs, é inesquecível.
Uma palavra para o mobiliário que nos oferece este museu: uma colecção de coches imperiais; cerâmica, vidro e prata e uma colecção riquíssima de porcelanas chinesas; armas e armaduras; fatos imperiais; manuscritos; uma impressionante colecção de vários objectos pertencentes ao designado “tesouro”.

Istambul Vista do Ar e do Mar

Na curta passagem por Istambul, uma subida à Torre Galata pode compensar alguma coisa. Mais ainda se for realizada ao pôr do sol. Daqui, naquele que em tempos foi o ponto mais alto da cidade, vislumbra-se nitidamente a paisagem de Istambul, com o seu céu cortado, aqui e ali, pelos minaretes das mesquitas que preenchem a cidade. Com o alaranjado do sol a esconder-se, então, o cenário é indescritível, um daqueles que apenas imaginamos possível em fotografias bem trabalhadas de photoshop.


Lá de cima percebe-se, igualmente, o trânsito autómovel alucinante de uma cidade que não pára de receber turcos e árabes de todos os sítios e que hoje acolhe cerca de 12 milhões de habitantes. Do alto confirmamos ainda que Istambul se encontra cercada de água – o Mar de Mármara, o Corno de Ouro e o Bósforo. Na chegada à cidade, vinda do aeroporto, madrugada fora, tinha ficado com a ideia de que passava de carro rumo ao hotel ladeada por barcos e mais barcos. Agora, confirmo que não é apenas o trânsito automóvel que é uma loucura. Também os barcos não cessam de passar. Na verdade, o estreito do Bósforo, para além do simbolismo que representa (divide a Europa da Ásia), é também um importante curso de navegação internacional, pois é através dele que é efectuada a ligação entre o Mar Mediterrâneo (Mar Egeu e estreito de Dardanelles) e o Mar Negro, via Mar de Mármara.
Um passeio de barco pelo Bósforo acima é praticamente obrigatório numa visita a Istambul. A cidade estende-se pelas margens adentro do estreito, uma imensidão de km em direcção ao Mar Negro. A melhor forma de se passar um dia (ou metade de um dia) navegando pelo Bósforo é fazê-lo num dos ferries públicos que saem do porto de Eminonu.
Antes de iniciar viagem passamos por mais uma das zonas da cidade onde o caos impera (haverá algum local em que não seja assim?). No rebuliço do porto, inúmeros pescadores junto à Ponte Galata.


Junto aos ferries, diversas bancas de comes e bebes onde é possível provar-se a especialidade de sandes de peixe. Do outro lado da rua, a Mesquita Nova espreita a água, com o bazar das especiarias bem vigilante. Ficarão para mais tarde. Agora é tempo de “furar” Istambul, sentindo a Europa de um lado e a Ásia do outro. Na realidade, tal só se sente no mapa porque alguém traçou a divisória entre os dois continentes a régua e esquadro. Infelizmente não tive a oportunidade de pisar a parte asiática de Istambul, ainda que tanto Uskudar como Kadikoy (bairros da outra margem) estejam a uma breve viagem de ferry. Mas, diz quem sabe, pouca – ou nenhuma – diferença existe, em termos culturais, entre as “duas” Istambul. Na verdade são uma só, multicultural e moderna.

Saindo do porto, o primeiro olhar vai para o enorme Palácio Dolmabache, com os seus jardins bem ali junto ao estreito. Foi para aqui que o sultão se mudou em 1856 quando se fartou do magnífico Palácio Topkapi, que se avista daqui.


Atravessando o Bósforo, especialmente se o dia estiver bonito, com a luz natural a espelhar na água, as casas otomanas que inundam as suas margens, quase sempre bem conservadas, ganham ainda mais cor.
De regresso, após paragem para almoço na última “estação”, Anadolu Kavagi, com vista para o Mar Negro, e após a recolha de alguns figos que se encontravam pelo caminho, a saída em Besiktas. Este bairro residencial é um dos mais modernos e melhor conservados de Istambul. Caminhando em direcção à Taksim, uma praça sem graça mas com grande simbolismo e história para os seus habitantes (uma espécie de Praça do Marquês de Pombal no que diz respeito à sua ocupação para comemoração de momentos felizes), entramos na Istiklal Caddesi. Rua pedonal, atravessada somente por um eléctrico vermelho, com lojas, restaurantes e, principalmente, bares, é a zona da moda. A fauna que por aqui deambula é claramente marcada por uma influência europeia, por contraposição a uma mais conservadora forma de se expressar visualmente. Estamos, pois, no bairro de Beyoglu, onde fica a Torre Galata, a tal do pôr do sol, e que se liga à zona do porto de Eminonu através da Ponte Galata.