Pico do Areeiro – Pico Ruivo

O tempo na ilha é mesmo estranho. Muda de repente, mesmo que após olharmos para o céu fiquemos com a certeza de que não, desta vez não existe qualquer possibilidade do tempo nos pregar uma partida.
Vem isto a propósito do nosso desafio de “escalarmos” até ao Pico Ruivo (1862m) desde o Pico do Areeiro (1818m), em pleno maciço montanhoso central da ilha da Madeira.

Assim, no dia de Páscoa preparamos o equipamento (botas, camisola de polar, impermeável, lanterna e farnel), deixámos a mãe no Pico do Areeiro juntamente com umas revistas e despedimo-nos para até daí umas 3 – 4 horas.
O tempo que se fazia sentir e o sol pareciam estar a nosso favor e saímos do Pico do Areeiro com uma simples t-shirt.

A descida, de cerca de 15 minutos, até ao miradouro do Ninho da Manta está ao alcance da maioria das pessoas que vêm até ao Pico do Areeiro (o pior é a subida mas como a distância não é muita…). Neste poiso, onde se crê que a ave de rapina de mesmo nome nidificava, a vista para a Fajã da Nogueira (direcção Balcões) deve ser fabulosa. Digo deve porque no momento em que lá estivemos só se avistaram nuvens, ou melhor, um nublado tão cerrado que transformou a paisagem num intenso e impenetrável manto branco. Em contrapartida, para o lado esquerdo, direcção Curral das Freiras, conseguimos ter certeza de que a vista desafogada de nuvens é esmagadora, um cenário de verde luxuriante. Digamos que tivemos 50% de sorte, mais ainda se pensarmos que a possibilidade de encontrarmos um nevoeiro cerrado por estas bandas é enorme.

Continuando a caminhada, e dedicando-nos exclusivamente a olhar o visual do nosso lado esquerdo, por entre a monotonia (atenção que nem sempre a monotonia é negativa!) basáltica e inundada de urzal, e após sairmos do túnel do Pico Gato, chegamos à conclusão de que seremos forçadas a contornar o Pico das Torres (1851m) e não a atalhar pelo túnel deste Pico que nos permitiria uma passagem rápida e mais directa da montanha rumo ao nosso objectivo final, uma vez que aquela área se encontrava em manutenção. Uma estafa e uns km a mais. Esta intensa subida pela escadaria escavada na rocha do Pico das Torres só é comparável (dizem) à parte final da chegada ao Pico Ruivo. Só dá vontade é de recolher para uma pausa retemperadora numa das grutas escavadas nos tufos vulcânicos que vamos encontrando pelo caminho. Mas o pior é que não estiveram muito longe de serem por nós utilizadas como abrigo, não do cansaço, mas antes da chuva. Pois é, o tempo havia mudado por completo e neste momento já nem o lado esquerdo tinha visibilidade. Para ser mais concreta, nem o esquerdo, nem o direito, nem um palmo à frente. O nevoeiro cerrado era tanto que apenas a chuva inclemente lhe fazia frente.
Alcançado o Pico das Torres dêmos com uma excursão de caminhantes alemães, com guia, e foi aqui que realizámos, enfim, que as nossas previsões de 3 – 4 horas para chegar ao Pico Ruivo e retornar ao Pico do Areeiro estavam completamente furadas. Culpa do túnel fechado para manutenção? Não só, ainda que isso nos pudesse ter poupado mais de meia hora por trajecto. A questão é que havíamos caído no erro de basear as nossas contas dos 6km em 3 – 4 horas como se este fosse um percurso circular, à semelhança do Rabaçal e dos Balcões. Esquecêramo-nos, porém, que nestes dois não há forma (ou é rara e arriscada) de retornar sem ser voltando pelo mesmo caminho, daí que as indicações de km e tempo sejam para a ida e a volta. Já no que respeita ao percurso entre os picos mais altos da ilha não acontece assim. Do Pico Ruivo pode seguir-se para a Achada do Teixeira e depois tomar a estrada.
Sabemos agora que o mais inteligente é fazer uma só direcção do percurso e ter um carro que nos transporte de novo para o Funchal (ou onde estivermos alojados). Com ou sem viagem organizada. Aí, sim, as nossas contas iniciais bateriam certo.
Erro primário, portanto; resultado óbvio, como consequência: meia volta no Pico das Torres, após cerca de 1h 20m, a pouco menos de meio caminho para o objectivo final do Pico Ruivo.
Ainda assim, um sabor a troféu, afinal de contas o Pico das Torres é o 2.º mais alto da ilha. E, servindo de consolo, o temporal que se abateu sobre as nossas cabeças e corpo, deixando-nos absolutamente encharcadas, pouco nos permitiria usufruir da paisagem e da própria caminhada.
Moral da história? O retorno à Madeira é mesmo um imperativo. A todas as caminhadas que julgávamos nos iriam ficar a faltar juntou-se a mais emblemática de todas elas.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s