Berlengas

Um passeio de um dia às Berlengas só não se torna num dia perfeito pelo simples pormenor, mas impossível de negligenciar, de que o “pacote” vem acompanhado de um tormentoso trajecto de barco de cerca de 45 minutos para lá e mais 45 minutos para cá. Diz quem sabe que os primeiros 45 minutos são os piores, como que a dizer que não há paraíso sem se passar previamente pelo inferno e, então, na ausência dos comprimidos não restou outra solução se não fechar bem os olhos e fazer de conta que o saquinho que a tripulação nos dá logo de entrada é mesmo para o lixo que não se deve deixar na ilha, e não para a consequênciazinha do mítico enjoo.
A última (e única?) vez que tinha estado na pequena ilha foi seguramente há bem mais de 20 anos. Só me lembrava, pois, daquela subida bem pronunciada que nos espera logo à entrada. Mas porque que é que não tinha claro na memória aquela transparência intensa das suas águas?
Um dia nas Berlengas dá apenas para caminhar um pouco até ao pitoresco forte (mais água de cores de sonho), apanhar um barquinho conduzido por um daqueles artolas que se gaba de só trabalhar nos meses de Verão e que nos conta umas histórias muito duvidosas acerca das grutas por onde vamos passando e, por fim, tentar estender a toalha na praia mínima junto ao porto. Aqui, debaixo do sol, vamos ganhando coragem para entrar na água gélida e, após a missão ser superada, ganhamos ainda mais coragem para imitar os miúdos e saltarmos como eles da prancha rumo à água transparente.

Um fim-de-semana nas Berlengas será talvez o ideal. Mas, agora que a residencial no Forte São João Baptista foi fechada pela ASAE (diz que devido à pouca qualidade da água doce) a única solução para passar a noite é acampar no parque de campismo. E a ver pela sujidade das tendas que por lá estavam e os berros esganiçados das gaivotas, acredito que seja isso mesmo: passar a noite, porque dormir deve ser difícil.
Mas, pensando bem, quem quererá dormir numa ilhota quase exclusiva, com uma fauna e flora apelativas, com aquela imensidão de céu bem estrelado (assim o imagino) a rodear aquele pedacinho de terra cravado no imenso Oceano Atlântico?

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s