Aldeias de Xisto de Góis

As aldeias pertencentes à rede das Aldeias de Xisto no concelho de Góis estão localizadas em plena Serra da Lousã. Pena, Aigra Velha, Aigra Nova e Comareira são remotas e isoladas, talvez até mais do que as aldeias do concelho da Lousã. No entanto, ao contrário destas, ainda há nelas habitantes permanentes. Poucos, mas há. Só a Pena, por exemplo, segundo o Censo de 2011 tem 14. Pela estrada de asfalto que liga estas aldeias a Góis, sede de concelho, encontramos até velhinhos amparados nas suas bengalas a caminho ou de volta do trabalho. Porque a vida não pará e enquanto se cá está há que cuidar do que é nosso, mesmo que os descendentes só cá queiram vir passar um fim de semana ou outro.

A paisagem deste pedaço da Serra da Lousã também não difere muito da da outra vertente. Para além dos cada vez mais frequentes pinheiros e eucaliptos, ainda se encontram bosques de castanheiros e carvalhos e nas zonas ribeirinhas azereiros e azevinhos. Mas nesta zona dominam de forma arrebatadora os Penedos de Góis, dos pontos mais altos da serra, com 1043 metros. Esta é uma paisagem mais agreste e também o clima junto a eles é menos certo. A mim tocou-me um dia a bater à porta da época do Verão onde o céu não se chegou a ver.

É possível fazer-se um percurso pedestre circular a iniciar em qualquer uma das 4 aldeias de xisto de Góis, através do qual ao longo de 9 kms de trilho se passa por zonas de montanha com tradições e história muito próprias e uma fauna feita de veados, aves de rapina e cegonhas pretas que costumam nidificar nos Penedos.

Não seguimos a penantes, antes de carro, e começámos o nosso itinerário pela Pena, a aldeia de xisto mais desenvolvida de Góis, protegida no alto pelas escarpas quartzíticas dos Penedos de Góis e em baixo pelas águas da Ribeira da Pena.

A sua implantação geográfica é desafiante, ao longo de um promontório, sempre a subir, e quase que as casas se equilibram umas nas outras. Ainda ao longe vemos que estas casas não são todas de xisto, mas quando entramos na aldeia, pouco após passar a ponte sobre a Ribeira e o castanheiro secular que nos dá as boas-vindas, vemos que é o xisto que nos rodeia. Caminhando pelas ruas estreitas apreciamos as casinhas de xisto com portas, paredes e parapeitos de madeira e observamos uns pormenores deliciosos nas fachadas. A maior parte das casas tem dois andares e tradicionalmente no rés-do-chão guardava-se o gado. Ao segundo piso acede-se por uma escada exterior também em xisto.

Crê-se que a povoação da Pena já existisse no século XVI. A origem do seu nome estará em “penna” ou “pinna”, palavra latina para penha – penhasco ou rochedo.

Da Pena até Aigra Velha é um passinho agradável por campos verdes ondulados onde as cabras pastam em sossego. Aigra Velha é pequeníssima, um ponto no mapa envolto numa bela paisagem agrícola e de pastoreio, a mais alta das aldeias de xisto, a 770 metros de altitude. Não se vê aqui ninguém, apenas animais guardados nas casas de xisto que parecem em ruína e abandonadas. O curioso desta aldeia é que possui um sistema defensivo apenas visto nas aldeias medievais mais antigas do nosso país, com uma única rua que atravessa a aldeia e pode ser fechada nas duas extremidades, ficando todas as casas com ligação interna directa entre si. Esta estrutura construtiva permitia uma melhor protecção contra o clima adverso e contra os animais selvagens, como os lobos.

O nome “aigra” significa campo ou quinta e esta Aigra Velha dirá respeito a uma quinta instalada numa posição geográfica cimeira em termos de altitude em relação a uma outra, a Aigra Nova. E assim nos conduzimos mais para baixo, pela serra que vai vendo um vale cravar-se na paisagem, deixando a silhueta dos Penedos de Góis para trás. Entre as Aigras existem bosques de urzes que servirão para produzir o típico mel da Serra da Lousã.

Aigra Nova, então. Aqui recebem-nos uns cães enormes, daqueles que metem respeito. Depois de hesitar em sair do carro constata-se que estes pachorrentos animais não estão ali para guardar o Núcleo de Interpretação Ambiental e a Loja de Xisto da aldeia, antes optam por se deixar estar na modorra a que a natureza local convida. Esta Aigra tem três ruas estreitas onde se duvida que o carro passe. Mas passa, depois de por elas termos caminhado um pouco.

As casas estão aqui bem recuperadas nas suas fachadas em xisto e portas e janelas em madeira e a aldeia é como se fosse um pequeno museu a céu aberto. Para além disso, esta é a única povoação no nosso país onde existe uma Maternidade de Árvores. À sua volta, hortas e lugares de pastagem. O nome “Aigra Nova”, já se sabe, será uma contraposição à outra aigra – quinta – mais cimeira. Ou, então, a palavra aigra estará ligada à palavra “acrum”, com o significado de áspero, amargo ou duro, tudo caracterizações certeiras da vida no lugar.

Saindo de Aigra Nova, a estrada continua a oferecer-nos belas panorâmicas. À entrada de Comareira, a última aldeia deste nosso itinerário, um miradouro só reforça a beleza dessas panorâmicas, obrigando-nos a parar para contemplar o vale. Novamente, uns cães aguardam a nossa visita e a sua modorra continua, mas desta vez estão um bocado pulguentos.

Uma mosquitagem incrível rodeia-nos e um cheiro a animal e bosta há-de nos acompanhar pela rua única da aldeia. Comareira, no cume de um monte, é a mais pequena destas aldeias do xisto e à semelhança de Aigra Velha também parece ao abandono – com excepção dos muitos bichos, cães, gatos, vacas, para além dos mosquitos.

One Comment Add yours

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s