Os 100 Vistos dum Pub

No mesmo dia da maratona feminina, domingo, a noite seria dedicado à, provavelmente, prova mais esperada de 4 em 4 anos: os 100 metros masculinos. O nosso objectivo seria assistir a Usain Bolt e jamaicanos lda num pub. Conseguimo-lo. E a experiência foi fantástica, de agradar até a quem nunca sequer se apercebera de que este evento existira. Durante o dia foram mais do que muitas as pessoas que já trajavam a rigor com as cores da bandeira jamaicana, fossem brancos ou pretos, crianças ou adultos, homens ou mulheres.


Quanto a nós, fizemos o nosso papel prestando tributo a Bolt fazendo questão de dar umas quantas voltas a Bricklane em busca do mural fresquinho que lhe foi dedicado pelo artista Jimmy C.


Em Bricklane ficava também o Puma Yard, espaço dedicado pela marca a eventos relacionados com os Jogos. E Usain fez mesmo questão de por láaparecer no fim dos Jogos para uma sessão de dj. A loucura por Bolt, um velocista que sonha em jogar futebol no Manchester Utd, é irreal para um pobre país como Portugal que só pensa em heróis desportistas do ramo futebolístico. Mais irreal ainda é que à hora marcada para as provas de Bolt, sejam os 100 ou os 200, os pubs se encham de gente, numa experiência mais parecida com a sardinha em lata, e os berros e urros de incentivo sejam abissais. Parecia que estávamos a vê-lo ao vivo. Mas a verdade é que estávamos o mais próximo que alguma vez conseguiríamos. Afinal de contas estávamos na mesma cidade, ainda que no lado oposto ao East End londrino, mas era como se fizéssemos nós próprias parte da história, vendo Bolt dobrar os 100 e os 200, duplamente campeão olímpico individual, o primeiro na história a também dobrar em dois Jogos consecutivos.

Imperdível ainda ouvir após a prova a entrevista de Blake, o segundo jamaicano, junto dos ingleses e descobrir que afinal a culpa de não percebermos uma palavra não é dos nossos ouvidos nem do nosso pífio entendimento da língua. O rapaz fala mesmo enrolado, uma espécie de reggae cantado por o equivalente a açoreanos, e a risota foi geral. Depois do sofrimento desportivo maratonistico pela manhã, o divertimento caribenho pela noite.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s