As Aldeias de Xisto da Lousã

Junto à vila da Lousã ficam algumas das mais pitorescas aldeias de xisto da serra de mesmo nome. Percorremos as estradas que serpenteiam a serra rodeados de uma vegetação frondosa feita de sobreiros, castanheiros, carvalhos e pinheiros. Pelo caminho, aqui e ali, surge um aglomerado de casas, sempre aninhadas numa encosta em declive, parecendo quase empoleiradas umas nas outras.

Das 5 aldeias de xisto do concelho da Lousã, Casal Novo foi a primeira paragem. Uma entrada mesmo à beira da estrada de asfalto deixa-nos face a face com uma rua sempre a (bom) descer. São edifícios de xisto de um lado e do outro desta rua única empedrada e muito declivosa, uns mais bem conservados do que outros e todos eles rodeados pelo arvoredo. Lá em baixo fica uma eira donde com tempo aberto se descobrem o Castelo da Lousã e o Santuário de Nossa Senhora da Piedade no meio da floresta.

As aldeias da Lousã terão começado a ser ocupadas por volta do século XVII ou XVIII de forma sazonal, na Primavera e no Verão, e as suas gentes dedicavam-se sobretudo à pastorícia. Nos dias de hoje estas aldeias têm muito pouca população com residência habitual, mas a de Casal Novo, que chegou a ter 65 habitantes em 1885, não tem sequer um, sendo as suas habitações todas de residência secundária.

O nome “casal”, já se sabe, significava em português arcaico um aglomerado de duas ou três casas. Já o “novo” do nome desta aldeia indicará que esta era uma povoação mais recente do que as vizinhas Chiqueiro e Talasnal.

Falhei a visita a Chiqueiro, sem que me tenha apercebido muito bem porquê.

Mas a visita a Talasnal é impossível de se falhar, não fosse esta a aldeia mais famosa da Lousã. Da estrada temos logo uma excelente panorâmica que nos mostra com exactidão a forma como a aldeia se espraia na encosta e na serra.

Aqui não há apenas uma rua. São vários os caminhos que nos convidam a descobrir todos os recantos do Talasnal e nos atiram para ruinhas estreitas e sem saída, umas a subir e outras a descer, perdendo-nos no meio daquela natureza construída. Não nos admiremos se dermos de caras com um javali – como me aconteceu – ou um veado ou corço.

Em 1911 o Talasnal tinha 129 habitantes, dois lagares de azeite e até uma escola. Hoje, neste mundo de encantar restam casas de residência secundária (mais uma vez, aqui não há já residentes habituais) feitas de xisto e belamente decoradas com flores e ramos de videira. Umas empoleiram-se nas vizinhas, mas outras conseguem reinar livres de amarras abrindo-se às vistas fabulosas da serra, obrigando ao desfrute relaxado do cenário.

À semelhança do que acontece no Casal Novo, na zona mais baixa do Talasnal consegue ver-se o Castelo da Lousã e um percurso pedestre liga-os, conduzindo-nos até à praia fluvial.

Estas aldeias não foram instaladas muito longe de ribeiras, mas em nenhuma delas o elemento água se faz sentir tão presente como no Candal. À sua entrada, junto à Estrada Nacional (EN) espera-nos a Ribeira do Candal rodeada de casinhas alcandoradas na encosta.

E quando atravessamos a pequena ponte e começamos a subir a aldeia vemos fontes e o som da água vai nos acompanhando. De todas as aldeias de xisto da Lousã, o Candal é a mais acessível, precisamente porque fica à beira de uma EN, daí que seja a mais desenvolvida. Ainda assim, em 1940 eram 201 os seus habitantes permanentes e nos Censos de 2011 0 (zero). As décadas de 50 e 60 viram a sua população emigrar em massa e apenas na década de 70 chegou a electricidade à aldeia. À semelhança do Talasnal, também tinha lagares de azeite e uma escola e o Candal era uma aldeia onde a pastorícia era a actividade principal, com as cabras e as ovelhas a serem guardadas no piso térreo das casas, e os seus habitantes dedicavam-se ainda a uma agricultura de subsistência e ao fabrico de carvão. Mas, tradicionalmente, aqui se trabalharia a pedra. Nesse sentido, o nome “Candal” derivará de “candar” que, por sua vez, derivará de “cantar a pedra”, porque enquanto trabalhavam a pedra os canteiros e os pedreiros iam cantando.

A encosta onde está situada são na verdade uma espécie de duas vertentes cortadas pela Ribeira. Olhando da estrada, a do lado esquerdo é onde fica a maioria do casario. Subimos a bom subir as ruas inclinadas, deambulando pelos caminhos sem saída que vão dar a mais uma casinha de xisto sem reboco ou a um ponto que nos oferece mais uma vista privilegiada. Há aqui, porém, muitos edifícios abandonados e em ruína, o que é ao mesmo tempo uma pena e uma consequência inevitável do avançar do tempo. Ainda assim, o prazer de apreciar as decorações das casas com flores e descobrir umas chaminés singulares, esse, está sempre presente.

Apesar de mais acessível, o Candal acaba por receber menos visitantes – e menos confusão – do que o Talasnal. Foi por isso que no Candal, na sua Loja de Aldeia do Xisto, pude saborear com mais tranquilidade um talasnico, um doce típico de mel e castanha.

A Cerdeira é a aldeia que se segue, onde se chega após um desvio mais adiante na EN. Digamos que a subida de carro pela estrada de asfalto até lá faz suar tanto como se optássemos por seguir a pé. São curvas e mais curvas, tão apertadas e sem visibilidade que nos fazem duvidar que o caminho vá ter a alguma espécie de civilização. Mas vai. E uma daquelas onde a criatividade tem feito por imperar e, com ela, dar nova vida e transformar a aldeia. Cerdeira é a mais criativa e artística das aldeias de xisto.

Mais uma vez, a sua implantação geográfica é soberba, uma daquelas cuja beleza, isolamento e tranquilidade só podem resultar em pura inspiração. Aqui o Homem teve de se esmerar para moldar os elementos naturais a seu belo prazer. Uma longa rua a descer (ou a subir, conforme a perspectiva) até ao vale onde corre uma pequena ribeira, mais uma rua traseira mais curta, escadaria com chão de xisto a condizer com os edifícios e esplanadas perfeitas fazem da Cerdeira o lugar ideal para se montar ateliers e residências artísticas que acolhem gente de todo o mundo e donde a arte há-de brotar. Até um espaço de botânica que usa a planta do xisto como planta aromática.

O nome Cerdeira virá do antigo “sardeira”, a árvore hoje commumente conhecida por cerejeira e que por aqui terá em tempos medrado. Em 1940 os censos registaram o maior número de habitantes que a aldeia já teve, 79. Hoje, mais uma vez, ninguém aqui reside de forma habitual. A este respeito, há até uma história triste que o cinema de João Mário Grilo, no filme de 1992 “O Fim do Mundo”, connosco partilhou: na década de 1970, tinha a aldeia três habitantes, uma discussão pela partilha da água acabou por deixar a aldeia deserta. Constantino matou os outros dois e em 1983 voltou à Cerdeira, após o cumprimento da sua pena, onde, homem bom e respeitado apesar do seu crime, viveu os seus últimos anos de vida partilhando as tradições da aldeia com quem entretanto para aqui viera.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s