Parque Botânico do Monteiro-Mor

Em pleno século XXI, o Lumiar é ainda lugar de quintas e palacetes, a meio caminho entre a cidade e seus subúrbios. Apesar do retalho, transformação e novos usos dados à esmagadora maioria das suas quintas, permanece o ambiente rural e de veraneio que fez com que a nobreza o buscasse desde há séculos. É neste contexto que chega até nós o Parque Botânico do Monteiro-Mor com os seus Palácio de Angeja (hoje Museu Nacional do Traje) e Palacete do Monteiro-Mor (hoje Museu Nacional do Teatro e da Dança). Anteriormente inserido no núcleo antigo do Lumiar, este é o resultado da junção de várias quintas (pelo menos 7) ao longo dos tempos, que de propriedades dos nobres chegaram às mãos do Estado. Parque e museus têm entrada quer pela muito recolhida Estrada do Lumiar quer pela muito frequentada Calçada de Carriche (com entrada gratuita aos domingos e feriados até às 14:00).

O Parque Botânico do Monteiro-Mor é uma maravilha encravada nesta cidade de características diversas e até opostas. Já no seu interior, num terreno declivosos que aproveita o vale onde foi instalado, a dado momento percebemos como estamos (bem) encaixados no meio de uma vegetação exuberante rodeada a uma confortável distância da urbanização que foi crescendo solta à volta de Lisboa.

Comecemos pelo princípio. A entrada pelo Largo Júlio Castilho, junto à Calçada de Carriche, deixa-nos no terreiro do Palácio Angeja. Construído no século XVIII pelo 3° Marquês de Angeja, aproveitando as estruturas onde haviam habitado anteriormente os freires de Avis, é um edifício de dois pisos de fachada pombalina com um interior que preserva apontamentos decorativos que gostamos de admirar em palácios: tectos, azulejos, pinturas. A intenção dos seus primeiros proprietários era a de instalar um Museu de História Natural anexo ao palácio. Esse projecto não foi adiante, mas o da plantação do parque botânico sim. Foi logo por volta de 1750 que diversas espécies tropicais e aves exóticas foram aqui desenvolvidas, num projecto atribuído ao botânico italiano Domenico Vandelli, tendo-se-lhe seguido a instalação de chafarizes e estatuária. Resultado? Em 1793 este parque botânico era já considerado como um dos três mais bonitos jardins de Lisboa.

Voltando ao palácio, durante a primeira invasão francesa foi usado como quartel-general do General Wellesley e em meados do século XIX, já após a sua aquisição pelo 2.º Duque de Palmela (e subsequentes obras de restauro no palácio e jardim com adaptação ao gosto romântico da época), foi palco de bailes e recepções, incluindo em honra da rainha D. Maria II. Todavia, após a II Grande Guerra Mundial o palácio Angeja-Palmela foi transformado em colégio religioso de belgas refugiadas e em 1976 o Estado Português acabou por adquirir a Quinta do Monteiro-Mor, incluindo Palácio Angeja, Casa do Monteiro-Mor, jardim botânico e zona verde com 11 hectares, tendo aberto o parque ao público e adaptado o Palácio Angeja a Museu Nacional do Traje em 1977 e adaptado a Casa do Monteiro-Mor a Museu Nacional do Teatro em 1985.

Deixado o terreiro do Palácio Angeja para trás, somos conduzidos por uma alameda com vegetação exuberante com a escultura de Caim como testemunha.

E logo chegamos ao largo com pequeno lago onde está instalado o pavilhão neogótico que originalmente servia de viveiro de aves e hoje é o restaurante do museu.

Este é um patamar superior, com um varandim com pilares encimados por vasos decorativos, debruçado sobre um imenso emaranhado de árvores de várias espécies que se estendem ao longo do vale encaixado onde o parque está instalado. Destaque para a Araucaria Excelsa, plantada em 1842 junto ao tanque dos leões (o que faz dela a mais antiga do país), e para os plátanos centenários.

Não menos emblemática será esta árvore feita seta apontada aos céus.

Prosseguindo neste patamar superior, que nos transporta até uma das alas do Palácio – onde se avista a torre da capela -, são inúmeros os lagos e tanques que vamos vendo desfilar abaixo, no patamar inferior. O parque foi construído em socalcos e desenvolve-se em vários patamares, sendo a água um elemento essencial. Aliás, uma linha de água que o atravessa é fundamental, não tanto como elemento cénico, passando despercebida antes de se adentrar a mata, mas mais como elemento estruturante e funcional. A cascata que dá para o lago maior, por exemplo, é por ela alimentada.

A área envolvente a este lago maior é um lugares mais bonitos do parque: lago e tanques, cascata, relvado, canteiros, vegetação exótica, escadarias, tudo elementos que conferem um enorme poder cénico, bem ao gosto romântico da época. Entretanto, mais recentemente, foram-lhe adicionadas outras esculturas, incluindo a “Janela de Soror Mariana”, de João Cutileiro.

Voltando a subir para o patamar acima dos lagos, aguarda-nos a Casa / Palacete do Monteiro-Mor, hoje Museu Nacional do Teatro e da Dança. Junto à Estrada do Lumiar, e com entrada por ela, o terreiro de calçada apresenta-nos um edifício setecentista com uma fachada principal delicada, em estilo neoclássico, restaurada no século XIX para adaptá-la ao gosto romântico. Foi nessa época que a Casa do Monteiro-Mor foi incorporada, juntamente com outras quintas vizinhas, no complexo do que é hoje o Parque Botânico. O jardim de buxo, com um pequeno lago ao centro e roseiral, desenvolve-se ao longo da fachada lateral barroca deste palacete.

Descendo por um caminho que se descobre rompendo pela vegetação, damos por nós na mata do Parque. Logo percebemos que esta mata é enorme e invade-nos uma súbita vontade de nela nos perdemos. É aqui que descobrimos a ribeira que atravessa a propriedade e as pontes de madeira que nos permitem passar de uma margem à outra.

Para logo darmos de caras com uma área de prado. Os tons de verde são diversos, assim como diversos são os ambientes e as características do Parque. Tudo isto é resultado não apenas do aproveitamento da morfologia do terreno, mas também do microclima aqui sentido que permite o desenvolvimento de vegetação luxuriante.

As possibilidade de caminhos continuam, deixando-nos quase sempre imersos nessa vegetação. Dá a sensação de que poderíamos aqui ficar um dia inteiro sem pisar os mesmos trilhos, tão grande é este Parque Botânico. Sorte de quem aqui conseguiu um talhão na horta comunitária, desculpa perfeita para voltar repetidas vezes.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s