Valência

Valência, a 3.ª cidade de Espanha, 4.ª da Península Ibérica, digo eu, só para Lisboa lhe ficar à frente.
Mas Valência ganhou, precisamente, a America´s Cup à nossa capital e, com isso, nós perdemos a hipótese de ver a zona de Pedrouços requalificada e eles ganharam a certeza de um porto novo. E com o novo porto e a maior prova de vela do universo tiveram ainda o bónus de, na mesma zona, ficarem com a organização de um 2.º GP de F1 em Espanha. Posso acrescentar ainda a esta grandeza desportiva, mas esta a título de desabafo, que na 5.ª feira santa, data da minha chegada a Valência, a equipa local ia receber à noite, para os 4.ºs de final da antiga Taça Uefa, o Atlético de Madrid, aquela equipazeca que eliminou o sempre imenso Sporting. Ao passar de táxi perto do estádio Mestalla não pude deixar de me imaginar lá dentro a acudir (é sem ponta de vaidade que me auto felicito pela muito boa utilização desta palavra) os Patrício, Grimmi, Tonel, Pereirinha e Postiga da época.

Voltando ao que interessa, à conta do porto surgiu o muito equilibrado e alvo edifício Veles e Vents do arquitecto David Chipperfield. Daqui até ao bairro Cabañal, antigo pouso dos pescadores, é uma pacata caminhada à beira do Mediterrâneo com a surpresa de encontrar o extenso areal das praias de Las Arenas e Malvarrosa. Não houve direito a banho, que o dia de sol bonito não fazia esquecer a aragem fresca, mas houve direito a tapas na Casa Montaña, na barra, como convém.

No outro dia, feriado, ocupei-me do centro da cidade. Falta-lhe a uma Praça Maior, à semelhança de outras cidades espanholas? Não, não lhe faz falta nenhuma. Vamos tendo várias praças mais pequenas, sempre acolhedoras (e numerosas: só à volta da Catedral são uma mão cheia delas), e temos a deliciosa e mínima Plaza Redonda, que mais parece retirada de uma cena de aldeia de décadas idas, com as bancas de bordados e retrosaria e quinquilharia afim.

Apesar dos bons transportes da cidade – metro, autocarros e táxis baratos – qualquer caminhada pelo centro e bairros que o circundam é extremamente agradável. Cidade plana, edifícios cuidados e monumentais, ruas largas, parte velha pedonal.
É impossível escaparmos à Catedral, quanto mais não seja para subirmos à Torre Miguelete e identificarmos dos céus todas as marcas que distinguem Valência. Lá está a medieval Torre de Serranos, o quase centenário Mestalla, o desaparecido Rio Turia, a novíssima Cidade das Artes e das Ciências. Mas o mais bonito será podermos ver a Plaza de la Reina bem ali debaixo.

Mais difíceis de identificar lá de cima, mas sempre presentes e merecedores de uma visita:


o Mercado Central (edifício em estilo modernista, com cúpulas em vidro e azulejo, tudo grandioso a deixar adivinhar o ambiente de pregões que se vive lá dentro);


o Mercado de Colón (mais parece um palacete em metal inspirado em Gaudi, restaurado já neste século para acolher lojas finas);


a Estação do Norte (ao lado da por fora pacata Praça de Touros, a elegância das suas linhas impera – as laranjinhas e florzinhas que decoram a sua fachada ainda adocicam mais a sua beleza modernista de princípios do século passado);


o Museu de Cerâmica e respectivo edifício (instalado no Palacete del Marquês de Dos Aguas, vale pela sua colecção, mas, sobretudo, pelo edifício em estilo rococó que na sua fachada transborda um exagero muito benéfico para o nosso sentido visual);

o Instituto Valenciano de Arte Moderno – IVAM (para quem não consegue fugir à cultura);



e, cereja no topo do bolo, La Lonja de la Seda, património da Unesco que muito influenciou Santiago Calatrava, arquitecto valenciano omnipresente na sua cidade (e, já agora, acrescente-se, autor da lisboeta Estação do Oriente). La Lonja, um dos melhores exemplos do estilo gótico civil na Europa, foi construída entre 1482 e 1548, altura em que Valência era o centro do mundo comercial e os mercadores não deixavam de a visitar e à sua La Lonja para fazer as suas trocas comerciais. A não perder o seu interior com colunas helicoidais, os jardins de laranjas e todos os pormenores que a nossa vista alcança em toda a sua poderosa fachada.

Para post autónomo fica a Cidade das Artes e Ciências, instalada em parte do que outrora foi o Rio Turia.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s