Porquê Guangzhou

Na viagem para Hong Kong dispunha de 6 dias inteirinhos para passear. Dava para os usar todos nas ilhas e parte continental de Hong Kong e mesmo assim ficaria longe de conhecer sequer perto de tudo. E, depois, havia Macau ali a 1 hora de distância. Menos um dia. E, para atiçar ainda mais a concorrência, a China também estava a 1 hora de distância.

A ida à China foi, pois, decidida após muita ponderação do que ficaria por ver em Hong Kong.

Com Shenzhen, uma zona económica especial que no principio dos anos 80 possuía cerca de 300 mil habitantes e hoje tem mais de 10 milhões (!), excluída do meu itinerário uma vez que o grande propósito para se visitar esta cidade a apenas 40 minutos do centro de Hong Kong são as compras, virei-me para a mais histórica Guangzhou, mais conhecida como Cantão. Em Dezembro de 2012 estava a 2 horas de comboio de distância de Hong Kong; com a evolução dos comboios na China, cada vez mais parecidos com foguetões, muito em breve a jornada far-se-á em pouco mais de 1 hora.

Contraditoriamente, embora reconhecendo a sua característica histórica, de cidade no Rio das Pérolas que foi objecto de um comércio vibrante ao longo dos séculos, o que me fez optar por Guangzhou foi uma iraquiana tornada inglesa que projectou o novo edifício da ópera na cidade. Zaha Hadid de seu nome.

E foi precisamente por aqui que iniciei o meu curtíssimo périplo por uma ínfima parte de Guangzhou.

 

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s