Museus em Bruxelas, Bruges e Antuérpia

Opção é o que não falta. 
Como o meu interesse recai sobretudo na pintura e na arquitectura, a selecção estava feita à partida.
Por falta de tempo não visitei o Museu Horta, em Bruxelas, como desejava.
Mas visitei o Bozar (também conhecido como Palácio das Belas Artes) e os Museus Reais de Belas Artes de Bruxelas (que actualmente incluem o Musée Magritte, o Musée Old Masters e o Musée fin-de-siècle).
Em Bruges visitei o Groeningemuseum e o Arentshuis. 
Em Antuérpia o MAS, num edifício de arquitectura fantástica, e a Casa Plantin-Moretus, único museu do mundo distinguido com a classificação como património da humanidade pela Unesco.
Em Gent era segunda-feira, logo, dia de descanso cultural.
Seguindo uma fórmula inspirada em Lourenco Mutarelli no seu “A Arte de Produzir Efeito sem Causa”, o qual classificava as mulheres com quem se cruzava no dia a dia segundo o tipo de relacionamento que com essas desejava ter em “comia”, “casava” ou “mandava para a forca”, e na impossibilidade de comer ou casar com um quadro e não o desejando mandar para a forca para evitar problemas que me impeçam futuras viagens, classificarei o meu gosto pelas obras que vi em “vendia”, “comprava” ou “pedia emprestado”.
Os Rubens e os Van Eyck vendia-os todos para arranjar € para as outras operações.
A Casa Plantin-Moretus pedia emprestada para aí estabelecer a minha biblioteca.

O MAS pedia igualmente emprestado para aí colocar as obras que compraria, designadamente todos os Brughels e o “Império das Luzes” de René Magritte.

Já que estamos no domínio da Bélgica, compraria ainda a “Vue de Bruxelles”, de Jan Baptist Bonnecroy, “Les émigrants”, de Eugène Laermans, e “Les affligés”, de Frank Brangwyn.
Um aparte: neste momento Ai Weiwei, considerado o maior artista chinês, vê ser-lhe dedicada uma grande exposição em Londres. Em Bruxelas o Bozar tinha até ao final de Agosto uma exposição dedicada a uma série de artistas chineses contemporâneos, a “Chinese Utopia Revisited”. Em Bruges, a sua bienal trouxe para as ruas mais uma série de novos artistas do império do meio. Não é só economicamente que os chineses se mostram ao velho continente. A sua cultura sempre foi forte e cativou o resto do mundo, mas agora volta a fascinar de uma outra forma, igualmente surpreendente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s