Da Vila Sassetti ao Palácio da Pena

A proposta é seguir caminhando desde a vila de Sintra até ao Palácio da Pena pelo novo percurso que a Parques de Sintra – Monte da Lua (empresa pública que ali gere diversos monumentos) estreou em Setembro de 2015.
Em 2011 a Parques adquiriu à Câmara Municipal de Sintra a Vila Sassetti já com o propósito de criar um caminho pedonal alternativo à rampa em alcatrão da Pena. O interior do edifício principal da Vila Sassetti continua em restauro e remodelação, mas o seu exterior e os seus jardins aqui estão, prontos a ser desfrutados por todos nós.


O percurso tem início na entrada da Vila Sassetti, junto ao Parque das Merendas, numa cota mais elevada face ao centro histórico da vila. Logo no muro de entrada encontramos a designação “Quinta da Amizade”, nome pelo qual era também conhecido o espaço, tomado em alusão ao Penedo da Amizade que se ergue sobranceiro à Vila. 

Encontramo-nos na encosta oeste do Castelo dos Mouros e até lá iremos subir a bom subir. São cerca de dois quilómetros até ao Castelo e Parque da Pena e dois quilómetros e meio até ao Palácio da Pena. O piso é relativamente estável (com chuva pode ficar escorregadio devido ao musgo criado pela humidade) e acessível para qualquer pessoa. Como é sempre a subir torna-se, no entanto, desgastante para quem possa não estar habituado a caminhar. Qualquer coisa como 45 minutos a 1 hora a dar às pernas caso consigamos abstrair-nos de tudo e não parar. O que se revela francamente impossível, pois embora a abstracção e a distracção do mundo real seja fácil por aqui, será muito difícil não parar para apreciar qualquer elemento da natureza que nos rodeia. 


Desde logo, na primeira subida na Vila Sassetti os fios de água que correm sobre as pedras sucedem-se. A serenidade é evidente e o escutar da água a escorrer por ali abaixo apazigua. Vêem-se plantas e vêem-se flores. Castanheiros, carvalhos e camélias, mas também plantas exóticas como plantas nativas do Chile ou da Austrália.


Antes de chegarmos ao pátio de entrada do edifício principal da Vila Sassetti deparamo-nos com um banco circular com um trono no meio, para não nos esquecermos que esta é terra de príncipes e contos de fadas.

A Vila Sassetti foi criada para constituir um refúgio de veraneio de Victor Carlos Sassetti, proprietário de hotéis de luxo (entre os quais o então famoso Branganza, em Lisboa). Em 1890 surgiu este projecto, uma parceria entre Sassetti e o arquitecto Luigi Manini (autor da vizinha Regaleira e do Palácio do Buçaco), inspirados nos castelos da Lombardia, em Itália, terra natal de Manini e da família Sassetti. 



O edifício principal da Vila é de arquitectura residencial revivalista de estilo romântico, onde a sua integração harmoniosa com a natureza é plenamente alcançada. Mais, este edifício distinto deixa-se envolver pelos marcantes elementos naturais que o rodeiam, como a vegetação e as rochas da Serra de Sintra, e fá-lo de uma forma brilhante e absolutamente natural. A sua fachada é distinta e característica, sobressaindo o seu elegante torreão. Utilizando o granito da Serra de Sintra e decorado com faixas de terracota, com cuidado trabalho em material cerâmico nos frisos dos torreões, nas chaminés, nas colunas e na envolvência das janelas, com destaque para o balcão em arco com janelas geminadas, descobrimos ainda neste edifício o seu apelativo telhado mouriscado mas claramente identificado com o estilo português. Muitas influências, já se vê. Do pequeno pátio com fonte no meio apercebemo-nos ainda do painel de azulejos a encimar a porta de entrada do chalet.




Um dos anexos da Vila foi transformado em instalações sanitárias e a curiosidade pode e deve levar-nos a espreitar para lá das suas portas e empoleirar-nos na pedra majestática onde está encostado para ganharmos uma vista fabulosa.

Deve esclarecer-se, todavia, que a maior parte da área da Vila Sassetti não é edificado, antes jardim. Ou seja, antes mesmo de sairmos do portão da Vila e subirmos mais um pouco já estamos totalmente envolvidos pela natureza, deixando de ver o Palácio da Vila, de um lado, e a Quinta da Regaleira, do outro. Vegetação e pedra, ora luz ora sombra, é o que temos e continuaremos a ter depois de sairmos da Vila Sassetti. 


Prosseguindo na viagem, percorremos agora um estreito caminho que nos levará ao sopé do Penedo da Amizade, local privilegiado na Serra de Sintra para a prática da escalada. O Castelo dos Mouros fica mesmo ali por cima. Esta é a parte mais difícil do percurso, mas agradável pela natureza que persiste em rodear-nos.



O fim deste percurso deixa-nos num ponto elevado donde obtemos mais uma vista deliciosa. 
Estamos já à porta do Parque da Pena e uma dúvida assalta-nos: seguimos para a entrada pelos Lagos, para a direita, ou para a entrada principal, para a esquerda? Por uma vez, guino à direita e não me arrependo.




Não me lembro desta paisagem, o Vale dos Lagos onde seis lagos se sucedem. O maior deles possui uma espécie de ilha com castelinho perdida nas suas águas. O tempo não está bonito mas a paisagem exuberante e verdejante tudo compensa. Temos direito até a reflexos irreais na água dos lagos.





Antes de nos dirigirmos para o Palácio da Pena é uma boa ideia optar por uma curta caminhada, cerca de 20 minutos, até ao Chalet da Condessa d’ Edla. Passamos pela Abegoaria – as Cavalariças – e seu edifício de arquitectura rural com fontanário com escultura de uma carranca em bronze, pelas estufas, a ponte-pérgola e a mimosa Casa do Jardineiro, esta última com pormenores decorativos em cortiça que encontraremos em grande escala uns poucos minutos depois no Chalet.




O Chalet da Condessa d’ Edla foi construído entre 1864 e 1869 por D. Fernando II e pela sua segunda mulher, precisamente a Condessa d’ Edla, de seu nome verdadeiro Elise Hensler. Amantes da música – Elise era cantora – e das artes em geral – o Rei D. Fernando II ficou na história com o cognome de “Rei Artista” – o casal decidiu criar num lugar mais isolado do Parque da Pena um autêntico refúgio no meio da natureza. Os princípios do romantismo estavam cá quase todos e a arquitectura do Chalet mais não fez do que complementar e requintar o cenário. De inspiração alpina, esta casa de veraneio possui uma decoração pouco vista em Portugal. Certo que a cortiça utilizada na decoração do revestimento das portas e janelas na fachada é material português, mas será raro depararmo-nos por cá com uma casa em alvenaria coberta com pintura a imitar pedaços de tábuas para se parecer a uma casa de madeira. A forma do telhado também é uma surpresa para o nosso olhar. 



Mas não só o elemento arquitectónico merece a visita ao espaço designado Chalet da Condessa d’ Edla. A natureza que o envolve, mais uma vez feita de vegetação e pedras, é luxuriante. 
As maciças pedras vizinhas ao Chalet são uma atracção por si só. Poderosas e elegantes, vale a pena adentrá-las e descobrir caminhos por entre as pedras dispostas de forma encantadora, muitas das vezes formando passagens e recantos.



De volta ao Vale dos Lagos, a paisagem natural ganha ainda mais força e é fácil perdermo-nos na vegetação intensa. Mais surpreendente ainda, no caminho podemos testemunhar a aliança entre a natureza e a arte contemporânea. Sim, espalhadas pelo Parque da Pena encontramos algumas instalações de artistas portugueses, como esta de Gabriela Albergaria – é um tornado?, não, é uma obra de arte 🙂 


E para nos mantermos no totalmente diferente, eis agora a Fonte dos Passarinhos. A surpresa continua e agora tem o condão de nos deleitar. Este pequeno mas poderoso edifício é um pavilhão decorativo de estilo islâmico, ao qual não falta sequer uma cúpula esférica com inscrição em árabe e encimada pelo crescente lunar. Construído em 1853, para além da sua arquitectura o pavilhão possui ainda como influências islâmicas a profusão de azulejos que o revestem e o som da água a correr audível no seu interior, marca esta comum também ao romantismo.



Na envolvência deste pavilhão encontramos elementos tão diversos como um jardim das camélias, uma capela manuelina ou um tanque dos frades que abastecia as hortas e muitos, muitos caminhos que serpenteiam por entre o arvoredo.


Mais adiante, o Lago da Concha, mais um lago, mais um refúgio, mais um encanto.


Subindo um pouco mais, chegamos à Gruta do Monge, um espaço sombrio completamente apartado do mundo, ideal para o recolhimento e meditação dos monges Jerónimos.


Aqui perto fica um conjunto de pedras que vamos observando desde baixo. Não falo da pedra do guerreiro, mas antes do Alto de Santa Catarina. Diz-se que este era o miradouro preferido da rainha D. Amélia e não é difícil perceber porquê. Aqui encontramos o Trono da Rainha, estrategicamente instalado de frente para o Palácio da Pena, numa vista completamente desafogada em plena e profunda Serra de Sintra. Ideal para uma paragem e um momento de contemplação – daqui tudo se avista e o mimoso Palácio ali está, altaneiro, colorido, parece que a posar exclusivamente para nós.


Tempo ainda para uma passagem pelo Templo das Colunas, edifício de arquitectura clássica, bem evidente pelas doze colunas que antecedem a sua fachada, situado no Alto de Santo António – mais um miradouro privilegiado para o Palácio da Pena, antes de entrarmos definitivamente neste edifício que constitui o maior exemplo do Romantismo em Portugal. 

O Palácio da Pena é provavelmente o maior postal de Sintra.
As cores do palácio já se vinham destacando há muito desde quase cada canto da nossa longa mas aprazível caminhada. Cada vez que olhávamos, lá estavam elas, aquele amarelo e aquele vermelho a irromperem pelo céu. Mas, de repente, à medida que íamos chegando mais perto começou a chover copiosamente e o céu tudo nublou de forma que tudo se deixou de perceber. 
Resultado? Em força para a visita ao interior do Palácio, reportagem fotográfica de exteriores adiada para uma próxima visita. 

O tempo em Sintra é um tópico. Qualquer lisboeta está já acostumado aos seus humores. 
Em resumo, no Parque da Pena apenas não subimos até à Cruz Alta, o ponto mais elevado da Serra de Sintra, a 529 metros de altitude, uma vez que a chuva que caía e a visibilidade a roçar o zero não compensaria a subida. Ainda assim, este é passeio para ocupar um dia todo, com muito tempo para caminhar, sentar, contemplar, piquenicar e, sobretudo, descobrir.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s