Primeiro dia pelo Alentejo Central

3 dias de Inverno pelos caminhos mais a leste do Alentejo Central significam dias mais curtos de luz, mas não necessariamente de frio. 

Saindo de Lisboa em direcção a Monsaraz, primeira paragem, são pouco mais de 90 minutos de viagem de carro sempre por autoestrada ou estradas rectas, uma constante por esta região.


Contraindo, no entanto, a ideia de planície alentejana, à aproximação de Monsaraz vamos avistando esta aldeia histórica desde longe, num destaque absoluto instalada no alto de um outeiro, como se fosse a campeã que ocupa o lugar cimeiro de um pódio. E é como se o fosse, ou não estivesse Monsaraz sempre nas listas das aldeias mais bonitas do nosso país.


Antes de entrarmos por uma das quatro portas das muralhas que irão oferecer-nos este burgo medieval feito de casas brancas e xisto, um presente à sua altura é a vista fabulosa para a Barragem do Alqueva e planície alentejana que a rodeia. Pura serenidade. 


E porque o Alentejo não é só paisagem, à entrada da aldeia encontramos uma bonita escultura a celebrar o Cante Alentejano.


Já estamos convencidos da grandeza do lugar e ainda nem entrámos em Monsaraz.

Este era o lugar de um primitivo castro. Ocupado por visigodos e mouros, em 1252 D. Sancho II conquista-a para Portugal, com a ajuda dos Templários, tendo-lhe sido concedido foral poucos anos depois. As guerras com Castela, porém, seguiram-se, com frequentes cercos e pilhagens, nesta que é uma terra de fronteira. 

Sabendo, então, que este foi um lugar de muitos povos, e até de ocupação que remonta a tempos pré-históricos (como o testemunham os diversos monumentos megalíticos presentes nas redondezas), adentramos a aldeia pela Porta de Alcoba, em arco, e após uma breve subida logo se nos abre um grande largo, onde encontramos a igreja matriz, o pelourinho, o edifício do antigo Hospital da Misericórdia e os Paços da Audiência. 


As ruas em pedra, duas mais longas e inúmeras outras que lhe são perpendiculares, todas elas estreitas, são em xisto. 


O casario, branco. 


A pedra teima em subir pelas casas acima. 


Os pormenores são deliciosos, como portas, janelas, bancos, chaminés ou uma árvore que parece concorrer com o telhado. 


Pela altura do Natal a aldeia transforma-se num presépio, com figuras em tamanho real espalhadas um pouco por todo o lado.



A Porta da Vila, virada para o Arrabalde (onde se situa a Igreja de São João Baptista, o mais antigo monumento de Monsaraz), é a principal entrada, com a sua torre sineira alva. 


Daqui saímos para logo entrarmos novamente e percorrermos a outra rua longa que irá dar à outra ponta da aldeia, onde fica o Castelo. A caminho, mais vistas fantásticas e inspiradoras se nos abrem, o Guadiana ao fundo e a planície lá em baixo pingada de oliveiras.


Do Castelo alcançam-se vistas ainda maiores, Guadiana e Barragem do Alqueva de um lado, aldeia de Monsaraz a nossos pés do outro. Daqui conseguimos perceber definitivamente a forma da aldeia e o lugar estratégico e encantado que é.
No século XVIII a população começou a abandonar Monsaraz, sobretudo pela escassez de água. As guerras da Restauração estavam terminadas e a gente de intra-muralhas e do Arrabalde optou por se instalar em Reguengos, na planície, a cerca de 16 km de distância, atraídos pelas vinhas e pelas colheitas de trigo, a par da água. 

Monsaraz viu-se abandonada e decaiu. Hoje está totalmente recuperada e bem viva, fazendo parecer distante a sentença de Vergílio Ferreira, na Aparição,  “Monsaraz-terra, esqueleto de velhice e de ruína, com crianças solitárias que riem como sobre uma sepultura”.

Já fora de Monsaraz, um bom local para almoçar é a Herdade de São Lourenço do Barrocal.

Para a tarde, um passeio pelas margens do Alqueva, com paragem obrigatória na nova Aldeia da Luz

O Alqueva é hoje o maior lago artificial da Europa. Possui 250 km2, 1200 km de margem, e entre 226 a 427 ilhas (este número varia consoante a cota da água, entre 130 e 152 metros). O projecto de construção da Barragem implicou a submersão da antiga aldeia da Luz em 2002 e sua correspondente relocalização, dando origem à referida nova aldeia da Luz, a cerca de 3 km da anterior. 


Reerguida de raíz, observamos a suas casas de planta baixa, corridas, de cores variadas, obedecendo à arquitectura típica das povoações alentejanas. Embora não seja uma réplica original da anterior aldeia, foram respeitadas a posição relativa aos arruamentos e as relações de vizinhança. Foram construídas 212 habitações, edifícios públicos, equipamentos colectivos vários, espaços verdes. 


Mais delicado, até a construção do novo cemitério implicou a manutenção da memória da antiga aldeia, transladando-se todos corpos do cemitério da velha Luz.
A nova Igreja de Nossa Senhora da Luz é, essa sim, uma réplica fiel da que encontrávamos na antiga aldeia. Hoje fica no fundo da povoação, quase à beira das águas do Alqueva e junto ao Museu da Luz, ambos com vista imaginária para a entretanto submersa velha aldeia.


O Museu da Luz é etnograficamente e arquitectonicamente imperdível. Na sua visita ficamos a compreender todo o processo de transferência da aldeia, interpretando a paisagem quer na sua vertente natural quer cultural, sempre com referências à vida na região e na antiga aldeia.


A sua arquitectura é belíssima e perfeitamente integrada no ambiente tranquilo onde se insere. O edifício está parcialmente enterrado, deixando para lá dele a planície e a água, elementos aqui recorrentes. Em xisto no seu exterior, do interior do museu são rasgadas janelas que deixam observar o grande lago mesmo ali à beira e o lugar exacto da antiga aldeia.

Da Luz partimos rumo à Estrela, também situada junto às águas do Alqueva. O Alqueva estende-se por 20 concelhos e o seu projecto, que já vinha desde os anos 50, pretendeu trazer novas áreas de agricultura de regadio, garantir o abastecimento público e industrial, a produção de energia eléctrica e a criação de novas valências turísticas. 

Este é um habitat natural e rodando pelas estradas ao redor do Lago vemos desfilar rebanhos de ovelhas e cabras, porcos, vacas, para além de aves que infelizmente não sei identificar, como a águia pesqueira, a águia real e o abutre preto.


A aldeia da Estrela, em si, não tem grandes argumentos. São antes as margens do Alqueva que por aqui que nos preenchem os sentimentos, cheias tranquilidade exacerbada pelos reflexos que a paisagem natural e umas pequenas casinhas vão deixando na água. 

Retornando a Monsaraz, impõe-se uma paragem em Mourão
Situado na fronteira com Espanha, esta povoação é conhecida pelas suas características chaminés. 


E também por ser a terra de Marco Paulo. Mas, para mim, aqui não houve dois amores em disputa. O seu castelo, ou melhor, a localização do seu castelo rouba o coração de qualquer um, não deixando espaço para mais nada. 


Erguido num lugar mais elevado em relação ao casario, o Castelo da Lousa, por referência à antiga Villa da Lousa, é um excelente exemplo de arquitectura militar. A igreja matriz de Mourão fica por aqui e está conservada. As muralhas do castelo e algumas torres e ameias também restam de pé, mas muito não se tem, dando as ruínas um ambiente de mistério ao sítio. 




Caminhar sobre a sua muralha é um ponto altíssimo da visita ao castelo e, uma vez mais, o Guadiana transformado em Alqueva oferece-nos paisagens soberbas, bem como a planície alentejana.



Com a noite já a cair prematuramente sobre a tarde neste dia de Dezembro, restou tempo apenas para uma visita ao Cromeleque do Xerez, junto ao Convento da Orada, no sopé de Monsaraz. 


Foi o único monumento megalítico a ser relocalizado por força da construção da barragem do Alqueva, mas também já teria sido artificialmente composto no século XX. Supõe-se que um grande menir de 4 metros tivesse existido, sendo que o que hoje vemos é um menir ao centro de configuração fálica, de 5,60 de altura, rodeado por fragmentos menores. A paisagem em redor é, uma vez mais superior, e o fim do dia, com a luz natural a fugir e as luzes artificiais a surgir em sua substituição, dá ao sítio um encanto singular.

Para pernoitar, a escolha recaiu em Reguengos de Monsaraz, na Casa Monsaraz, e o jantar no restaurante Barril. Ambas escolhas a repetir, com a maciez daquelas bochechas de porco preto ainda na memória.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s