Porto da Cruz

Porto da Cruz é uma vila do concelho de Machico, situada no nordeste da ilha da Madeira. Foi uma das primeiras da costa norte a ser explorada e habitada e em 1577 já era freguesia. Enquanto freguesia é extremamente diversa geograficamente: tem floresta, tem serra e tem mar. Só não tem planície, que nesta zona acidentada da ilha não há cá monotonia.

É por entre todos estes elementos naturais que a povoação do Porto da Cruz se desenvolve. A beleza, está visto, é garantida. Mas historicamente e culturalmente tem também diversos pontos de interesse que desde há muito vão deixando a sua marca na paisagem. Desde logo a vinha americana, cujo vinho tinto seco dá fama à localidade. E, depois, a cana de açúcar. O historiador Gaspar Frutuoso, na sua obra “Saudades da Terra”, referia ter o Porto da Cruz boas terras de canas e muitas águas e conta-nos que já em 1535 havia registo de um engenho na povoação. Plantação secular, a cana de açúcar foi levada para a Madeira por iniciativa do Infante Dom Henrique, tendo origem talvez na Sicília, Valência ou até Algarve (não se sabe com certeza), e espalhou-se rapidamente por quase toda a ilha. Pioneira nas técnicas e sistemas de fabrico do açúcar e da aguardente, nos séculos XV e XVI abundavam os canaviais e os engenhos na Madeira, de tal forma que essa época ficou conhecida como a do “ouro branco”. No século XVI esta agressiva indústria do açúcar (esgota a terra, devora a floresta e seca os cursos de água) entrou em quebra na ilha por motivos vários, como a concorrência de outras paragens no Atlântico (com o Brasil à cabeça), a peste e a falta de mão de obra. Hoje ainda há alguns canaviais e existem apenas três engenhos activos. Um deles está, precisamente, no Porto da Cruz e é o da Companhia Engenhos do Norte, criada em 1927 (e os outros estão no Ribeiro Seco e na Calheta). É, aliás, o único engenho a vapor ainda em funcionamento na Europa. Produz aguardente de cana e está aberto a visitas, onde se fazem provas de rum ou de poncha. O mel de cana e a aguardente são os grandes responsáveis pela sobrevivência destes engenhos, fabricando os tão gabados e amados bolo de mel e poncha. E a chaminé do seu edifício – a única intacta – é mais um marco na paisagem.

O topónimo Porto da Cruz é nos explicado por Gaspar Frutuoso: quando aqui chegaram os primeiros exploradores da ilha logo arvoraram na sua enseada uma cruz feita de paus recolhidos da ribeira local. O que não explicou, porque certamente a expressão será mais tardia, é que os seus habitantes têm a alcunha de “broquilhas”, também sinónimo na Madeira para pessoa pouco instruída ou ignorante. Não há de haver relação nem sei se tomam o apodo como ofensivo. De qualquer forma, se houver ofensa os habitantes de Porto da Cruz bem a podem combater demostrando uma desculpável eventual sobranceria por viverem em lugar tão fantástico. Se os campos ao redor do Porto da Cruz são dos mais bonitos da ilha, com a pujança verdejante dos seus penhascos e vales, o centro da vila à beira mar tem um encanto natural. Desde logo pela natureza brutal e altaneira das falésias que a protegem. A Penha de Águia é a mais marcante, um emblema monumental de toda a ilha, mas que aqui serve de vigia bem especial.

Dela escorrem de forma luxuriante e directamente para o Atlântico umas quedas de água majestosas. A poucos metros, uns surfistas remam para as ondas e nelas deslizam tentando não se distrair diante deste cenário grandioso. É a praia da Alagoa, uma pequena enseada, talvez aquela onde terá sido cravada a tal cruz que dá nome à terra. O Engenho do Norte tem exactamente esta vista. E por ele acima ergue-se um morro de forma curiosa, de origem basáltica e com tufos verdes a cobri-lo. No seu topo jazem as ruínas de um pequeno forte do século XVIII que defendia esta zona da costa dos ataques corsários.

Circundando-o junto ao mar vamos dar a umas piscinas de água salgada – até porque a água do mar as galga amiúde. É uma espécie de promenade, com alguns restaurantes com esplanadas com vistas privilegiadas enquanto nos deliciamos com umas lapas ou um picado de atum.

A praia da Maiata, de calhau rolado, é uma longa praia que se estende num cenário belíssimo feito de um recorte de costa poderoso. Talvez a entrada para banhos não seja fácil, mas a contemplação deste panorama magistral ninguém nos impede de o viver. Aqui ficava o antigo engenho das Casas Próximas, hoje com a sua chaminé em destacada ruína.

Tanto a Maiata como a Alagoa são praias onde é possível surfar, daí que não espante que pelas pequenas e escassas ruas da vila se vejam lojas de escolas e material de surf. É uma forte alternativa ao Paul e Jardim do Mar, na costa oposta. Tal como o surf, o trail running é também uma modalidade que ajuda a colocar a freguesia no mapa dos aventureiros, graças aos muitos trilhos na região. E com esta ideia e esgotados os adjectivos nos despedimos de Porto da Cruz, pasmando uma vez mais diante da monumental Penha de Águia.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s