Porto Family Run

Com o pretexto de correr pelo Porto (não, ainda não foi este ano que nos aventurámos pela Maratona), fomos de fim de semana à Invicta.

Mas, então, se a prova era no domingo de manhã, sábado foi dia de descanso, certo? Nada disso, que o privilégio de passear pelo Porto não anda aí todos os dias.

Assim, como que numa espécie de aquecimento, saímos da Cedofeita, onde deixámos as malas, e caminhámos até à Ribeira. Revisitar Juan Muñoz e os seus “Treze a rir de um” no Jardim da Cordoaria, Torre dos Clérigos a romper num céu azul intenso, Livraria Lello repleta como sempre.

A Ribeira não lhe ficava atrás e passámos quase a correr pelas suas casinhas coloridas e os seus mercados de rua para atravessarmos a Ponte Dom Luís e almoçarmos no Cais de Gaia. O eleito foi o DeCastro Gaia, com os sempre saborosos petiscos de Miguel Castro e Silva, no edifício Porto Cruz. Aí aquela esplanada no terraço… Parece que o Douro está ainda mais próximo de nós.

De volta, subimos à Serra do Pilar, os contrastes do Porto deste século ali à vista: a modernidade e o turismo junto ao abandono e solitude – a ponte divide-os.

Não me canso de repetir: atravessar a Ponte Dom Luís deveria aparecer naqueles livros de 100 qualquer coisas a fazer antes de morrer. Então se o São Pedro nos brindar com umas abertas, como me tem feito sempre que me lembro de ir até ao Porto, o postal fica perfeito. O Douro é lindo e o cliché do Porto escuro e velho já era.

Junto à Sé uma constatação que passa a oficial: o Porto está na moda e os turistas estão a inundá-la. Espanhóis, claro, mas também muitos franceses, russos, asiáticos. Deu até para entabular uma conversa com umas chinesas que, tal como nós, apreciavam o emaranhado de telhados misturados na paisagem do centro portuense.

Santa Catarina pode continuar a artéria mais conhecida e frequentada do Porto, mas as ruas à volta dos Clérigos mostram todo o seu charme. Não é da Rua Galeria Paris e seus bares e restaurantes da moda que falo. É qualquer uma delas onde se vê aberta uma loja ou um restaurante de absoluto bom gosto. Espaços pequenos, intimistas, que parecem oferecer uma comida de petiscos caseiros, simples mas confortáveis. Um exemplo é a outrora abandonada Rua dos Caldeireiros que vai dar à Rua das Flores. Estas duas vias merecem ser percorridas para se sentir com está a actual pulsação da cidade. Os ferreiros já eram, mas junto a tascas autóctones encontramos hoje espaços de forasteiros interessados em dar uma nova vida, mais urbana, à cidade. Sem ruptura. Veja-se a reabilitação da Praça das Cardosas.

A Rua das Flores, essa, está totalmente virada para o peão. Para caminharmos pacificamente a observar os grafittis certeiros que por ali pululam. Os azulejos preservados dos edifícios. As suas varandas em ferro muito características. As esplanadas que dão ainda mais vida à rua. A cor que por ali abunda. E pensar que muitos mais edifícios ainda abandonados podem ainda vir a ser recuperados. Por agora, uma sugestão: uma refeição no Cantina 32, saboreando os seus pratos e aguardando ansiosamente pelas sobremesas, em especial o cheesecake de banana caramelizada e chocolate, apresentada num estranho e original vaso que parece não ter mais nada além de terra – report aqui. Mesmo assim, atirámo-nos a ele com a mesma confiança com que horas antes nos havíamos dedicado à nossa corrida.

Quanto à corrida, começámos os 16km junto ao Palácio de Cristal e logo subimos em direcção à rotunda da Boavista, um dos lugares mais inspiradores para os sportinguistas, com o leão a depenar a águia lá bem no alto. Com ainda poucos kms nas pernas, aproveita-se para apreciar as formas da Casa da Música e ir descobrindo os muitos edifícios apalaçados da imensa Rua da Boavista, sem esquecer recentes aquisições também arrojadas, como é o caso do edifício da Vodafone portuense. Com o Atlântico em frente, virámos para a direita rumo ao Porto de Leixões e disputámos as ruas com os surfistas que saiam de casa para devorar as ondas mesmo ali à porta. De volta à Rua da Boavista, confirmação de que a Fundação Cupertino Miranda nos esperava para a tarde para nos admirarmos com o modernismo de Dominguez Alvarez. E, pronto, paragem algures num canto do Parque da Cidade. Objectivo cumprido. Para o ano vem a maratona? 

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s