Pelo interior da Terceira

Na Ilha Terceira confirmei uma vez mais que o que me enche as medidas é mesmo o centro das ilhas. As povoações são pitorescas e a costa bonita, mas o centro das ilhas açorianas é fabuloso – montes e vales, prados e vegetação luxuriante, vulcões e furnas. E até porque do centro tudo se contempla, incluindo as pitorescas povoações e a bonita costa.

A Terra Chã está a poucos minutos da cidade de Angra e aqui logo adentramos a ruralidade da Terceira. Uns miradouros permitem-nos admirar as diversas facetas da ilha. Embora a Serra de Santa Bárbara costume estar acompanhada de nuvens – e elas viam-se à distância – teimámos em tentar chegar aos 1021 metros de altitude, o ponto mais alto da ilha Terceira. Conseguimos, mas nada se via do topo, óbvio. O caminho até lá, porém, é daqueles que vale a pena enfrentar seja que clima teimar em marcar presença.

Passamos a Lagoa das Patas, pequena mata de recreio, seguimos pela estrada ladeada de criptomérias, com alguns troncos de árvores muito curiosos, as vistas vão-se abrindo para o mar, com o Monte do Brasil e os ilhéus das Cabras ao fundo, enquanto as vacas pastam no manto verde dividido pelos cerrados. Tranquilidade pura.

O cimo da Serra de Santa Bárbara é constituído pelo que foi outrora um vulcão. As nuvens cerradas não o deixam perceber, mas depois de descermos e voltarmos no caminho em direcção ao centro da ilha, em grande parte ocupado pela caldeira de Guilherme Moniz, temos oportunidade de perceber a quantidade de picos correspondentes a antigos vulcões que pululam por aqui. Curiosamente, nesta ilha relativamente pequena, a parte ocidental é acidentada, cheia de montes, enquanto que a parte oriental é quase toda ela plana, ocupada pelas famosas mantas de retalhos.

A Caldeira de Guilherme Moniz não se chega a perceber. A sua dimensão é enorme e é atravessada por estradas, por vezes a vegetação é intensa e vêem-se uma série de cabeços e campos de lava. Não há um ponto mais elevado donde se possa apreciar os seus exactos contornos. O que há, sim, são vários elementos naturais que nos deixam absolutamente surpreendidos.

O primeiro deles é uma das maiores atracções da ilha: o Algar do Carvão. Quando me indicaram o que ver e fazer na Terceira, falaram-me na descida a uma gruta. Logo disse que detestava grutas. Mas que não, que esta não poderia perder. E é verdade, não a poderia ter perdido por nada deste mundo. Até porque esta é uma das poucas, senão única, oportunidade no mundo de se entrar num vulcão. Esta é, literalmente, uma viagem ao centro da terra.

Os algares são buracos verticais e profundos de origem vulcânica, autênticas cavernas que se formam pela erosão e dissolução da água, daí que muitas vezes se possam encontrar neles pequenas lagoas que vão guardando a água das chuvas. Não são raros no arquipélago dos Açores. Mas nem todos são visitáveis. O Algar do Carvão pode ser visitado durante todo o ano.

Um cabeço revestido de uma intensa vegetação recebe-nos mas à partida não lhe descobrimos nada de diferente. Mas após uma portinhola a servir de entrada seguimos por um túnel e entramos num mundo novo. Uma galeria no interior do dito cabeço fica diante nós. Descemos uma longa escadaria e o ambiente torna-se mais frio e húmido, com as gotas da água a escorrer pelas paredes rochosas. Estamos, então, dentro do vulcão e olhando para cima vemos a sua chaminé aberta ao céu. No negrume, um toque de verde dado pelas diversas espécies vegetais.

Voltando os sentidos para dentro do cone vulcânico, para além das algas e bolores, são diversos os minerais que se encontram nesta cavidade, estalactites e estalagmites junto com outros palavrões do género. A lagoa fica numa vertente mais abaixo e a escuridão não nos deixa apreciá-la na plenitude, mas sabemos que chega a ter uma superfície de 400 m2 e uma profundidade de 15 metros, sendo alimentada por infiltrações pluviais e pequenas nascentes aqui imersas.

João de Melo referiu-se a este Algar do Carvão como uma “ferida profunda aberta na terra”. Mas o que parece igualmente uma ferida é um lugar aqui perto, as Furnas do Enxofre, donde brotam umas fumarolas vulcânicas.

Através de um percurso pedonal instituído somos transportados por mais uma paisagem irreal. Um sistema de fissura vulcânica leva a que uns gases – as fumarolas – sejam libertados para a superfície. A cor amarelo-alaranjada que se vê no meio da vegetação corresponde a depósitos de enxofre, sendo ainda, fenómeno mais raro, formados cristais de enxofre.

Perto do Algar do Carvão fica a Gruta do Natal, outro daqueles sítios cuja visita é única. À sua porta temos a Lagoa do Negro com um arvoredo intenso na sua traseira a fazer de palco.

Mas o espectáculo faz-se novamente nas “entranhas da terra”. Num percurso de cerca de 700 metros por um tubo de lava onde podemos observar diversas estruturas geológicas ficamos, ao mesmo tempo, com uma maior percepção de como foram formadas as ilhas de origem vulcânica. O caminho não é difícil, mas por vezes o chão apresenta alguns desníveis e algumas partes são muito baixas. É o nosso momento Indiana Jones. O nome desta gruta, “do Natal”, deve-se ao facto de aqui ter sido celebrada uma missa de Natal em 1969.

Junto à Gruta do Natal tem início um dos trilhos pelo interior da ilha: o dos Mistérios Negros. Com muita pena, não houve tempo para o percorrer. A nossa escolha recaiu, ao invés, no trilho que tem o seu início do outro lado da estrada do Caminho dos Biscoitos, ali perto.

O trilho da Rocha do Chambre é circular e tem cerca de 10 kms, coisa para épicas 2h 30m. Deixamos o carro na beira da estrada e iniciamos o percurso pelo caminho de bagacina vermelha, um dos muitos pisos que iremos experimentar.

As vistas logo ao início, com o recorte exacto dos montes, são soberbas, graças também à sorte com o dia de céu quase limpo. Por entre muito verde e céu azul, passamos por caminhos de pastagens, sempre com o aviso de deixar as cancelas como as encontrámos, e logo entramos num caminho de lava mais invulgar. A lava que derramou sobre estes terrenos fez que, com o tempo, se originassem diversas pequenas pedras que agora vamos pisando com cuidado para não nos desequilibrarmos.

Uma das partes mais bonitas deste percurso aparece com pouca demora: uma floresta de cryptomeria japonica. Os troncos destas árvores são fantásticos, alguns deles tomando a forma de bengalas invertidas. Outros, com formas mais comuns, dão-nos na mesma uma imagem belíssima, todos próximos uns dos outros e bem altos. Nesta zona passa um ribeiro e existem algumas partes mais encharcadas, pelo que há que ter atenção onde colocar os pés para não escorregar. Vêem-se umas pontes nesta mata, o que aumenta a fantasia do cenário.

E daqui começamos a subir durante um tempo protegidos pelas copas das árvores. Um corda grossa onde nos devemos apoiar ajuda a vencer uns degraus rústicos e escorregadios numa subida a pique. Nesta subida que nos vai tirando o fôlego fisicamente vamo-nos preparando através de algumas abertas na folhagem das árvores para o cenário que nos aguarda no alto. É o Biscoito da Ferraria e o Pico Alto com o Atlântico ao fundo. E a Rocha do Chambre.

Atingido o ponto mais elevado do percurso, a 704 metros de altitude, é hora de descer. Esta é uma zona de pastagens naturais e daqui avista-se o Pico do Fogo, o Pico Gaspar com o seu cone achatado e a Serra de Santa Bárbara. A paisagem natural só é perturbada por algumas construções de apoio à actividade agrícola. Não vemos gado bravo, mas incomodamos o repouso de umas cabras. E em breve a estrada torna-se familiar e voltamos ao piso vermelho que anuncia o fim (e anteriormente o começo) deste trilho circular.

No final, a certeza: só caminhando pelo seu interior se fica com uma ideia mais próxima da beleza indomável das ilhas.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s